Em entrevista ao site Vanity Fair, Evan detalha sobre suas maiores cenas na minissérie Mare of Easttown.

A CENA: MARE OF EASTTOWN TEMPORADA UM, EPISÓDIO TRÊS

Quase exatamente na metade do caminho de Mare of Easttown, a primeira de várias bolas curvas neste mistério de “quem fez isso?” sinuoso vem se lançando contra a detetive Mare Sheehan de Kate Winslet. Sentada em um bar local e à beira de tomar uma decisão que pode arruinar sua vida, Mare encontra seu novo jovem parceiro, o detetive Colin Zabel (Evan Peters), que está três folhas ao vento depois de sua própria onda ruim, tipo uma reunião escolar horrível. A troca deles dura menos de cinco minutos, mas durante esse tempo Winslet generosamente permite que Peters conquiste os holofotes enquanto Zabel percorre toda a gama de bêbados desesperados, humor sarcástico e flertes nada sutis.

É uma cena crucial para a série, tanto estabelecendo o arco de Zabel quanto estabelecendo-o como um interesse romântico viável – pelo menos em sua mente – para Mare. É também uma cena que se transformou significativamente conforme o diretor da série Craig Zobel e Peters trabalharam nela. A dupla decidiu que o personagem de Zabel, escrito como um figurão impetuoso com muita arrogância, funcionaria melhor como um jovem problemático atormentado pela síndrome do impostor e um grande segredo para guardar. A ideia por trás dessa cena, então, era mostrar Zabel em seu estado mais atraente e vulnerável enquanto sinalizava alguma turbulência caótica espreitando por trás de seu comportamento abotoado. Também foi crucial para obter o impacto emocional do que aconteceu com Zabel em um episódio posterior.

Este mergulho profundo se concentra principalmente no episódio três, mas contém algumas discussões sobre o resto da série. Se você não está informado sobre o que acontece com Mare, Zabel, etc., proceda com cautela.

COMO TUDO COMEÇOU
Quando o criador da série Brad Ingelsby escreveu esta cena, ele sempre pretendeu que fosse a entrada de Zabel na esfera romântica de Mare. Mas a abordagem mudou drasticamente quando Craig Zobel assumiu o lugar do diretor da série Gavin O’Connor, e se interessou por um ângulo diferente sobre o personagem de Evan Peters. Zobel foi encarregado de reinventar um pouco a série enquanto ainda incorporava a filmagem que Hood já havia filmado de vários episódios. Foi uma tarefa nada invejável. “Eu queria fazer algumas coisas de forma diferente, mas queria ter certeza de que [combinava] com as coisas que já existiam para que estivéssemos no mesmo mundo”, diz Zobel. Uma oportunidade que ele pode ter visto foi na reinvenção de Colin Zabel.

Ainda há algumas evidências remanescentes do conceito original de Zabel no guarda-roupa de Peters. As belas camisas e o casaco liso foram feitos para a versão mais chamativa do personagem, aquela que Peters teve aulas de sinuca para jogar. “Mas quanto mais fazíamos isso”, diz Peters, “quero dizer, ele está morando com a mãe. Ele está meio preso, atrofiado e preso. ” As roupas bonitas, então, se tornaram apenas mais um tijolo na parede da síndrome do impostor que Zabel construiu em torno de si.

Essa nova versão mais ansiosa do personagem que eles construíram, no entanto, pode não ter atrevidamente vagado até Mare no bar sem ainda mais coragem líquida espirrando dentro dele do que estava escrito na página. Zobel não está apenas carregando inseguranças sobre este novo caso, ele também está escondendo o segredo de que assumiu o crédito pelo trabalho de outro investigador em seu último caso.

“Craig e eu nos encontramos para falar sobre Zabel e essa é uma cena que surgiu”, diz Peters. “Eu disse, eu acho que ele deveria ser um merda. Ele tem tanto que está escondendo. Ele parece que tem tudo resolvido. Quando você descobrir no [episódio] cinco que ele está carregando essa coisa todo esse tempo, você quer vê-lo no bar e pronto, cara, há algo por trás disso. ”A própria insegurança de Peters em retratar este novo, mais emocionalmente caótico Zabel, serviu como combustível adicional para a cena.”

PREPARANDO A CENA
Peters, Winslet e Zobel filmaram a interação do bar no início do dia, por volta das 8h ou 9h. Embora Peters cite os próprios 20 anos que passou “estourando os miolos” com substâncias como uma pesquisa sólida para brincar de bêbado, ele recebeu uma pequena ajuda de manhã cedo: “Quando eu estava filmando a cena, estava bebendo vinagre de maçã. Tem um gosto muito ácido e estranho. Mas se você beber o suficiente, começa a ter um gosto bom. Portanto, parece muito semelhante a bebida para mim.” Peters não tem certeza se foi o vinagre que avermelhou seu rosto e fez suas veias pularem: “Acho que isso acontece quando fico intenso ou emocional. Veias saltando da minha maldita cabeça.”

Peters também se apoiou pesadamente em longas noites passadas com seu próprio irmão, Andrew Peters, a fim de pregar a jornada caótica, porém carismática, de Zabel por meio de uma bebedeira. “Meu irmão é absolutamente hilário quando bebe”, diz Peters. “Ele é um homem muito seco e quieto, mas quando ele começa a bater um pouco, ele está destruindo a pista de dança.… Eu o canalizei muito, pensando em como é estar de volta a um bar em St. Louis tendo bebedeira com todos os caras.”

ACERTANDO A NOTA CERTA
Outra tática que Peters empregou, uma de suas favoritas, foi tocar músicas para ajudá-lo a ter a mentalidade certa. O episódio em si é chamado de “Enter Number Two“, uma referência à música de Gordon Lightfoot “If You Could Read My Mind“, em que uma letra – “entre o número dois, uma rainha do cinema para representar a cena” – descreve um novo interesse amoroso . “Em certo ponto, tínhamos aquela música no episódio”, diz Ingelsby, “foi o momento em que Zabel realmente entrou na vida [de Mare] como um interesse romântico. Ela tem esses dois caras, como isso vai acabar?” A música de Lightfoot não foi incluída na versão final. Em vez disso, a música tocando na jukebox do bar de esportes é a “Mr. Brightside.” É uma reformulação do rock clássico de um grande sucesso de 2004 que certamente fará os espectadores do milênio sentirem dor nos ossos, e apropriada para uma festa pós-reunião do colégio com a presença de Peters, de 34 anos.

Mas era uma música diferente – a triste “Where’d All the Time Go” de 2010 do Dr. Dog, que coincidentemente também é um sucesso atual do TikTok – que Peters se preparou para entrar no clima de alguém recém-saído da reunião de colégio onde ele teve que ver sua ex. “Aquela sensação de estar em um relacionamento longo”, diz Peters, “e terminar mal”. Zabel também guarda o segredo de que fez passar o trabalho de detetive de outra pessoa como se fosse seu, a fim de progredir em sua carreira. “Isso acaba fazendo com que ele se sinta um impostor, uma farsa e um impostor”, diz Peters. “Acho que ele está tentando matar isso com bebida.”

A fim de canalizar a frustração triste de Zabel por querer que Mare o visse como uma opção romântica viável, Peters também ouviu “New Light” de John Mayer. A letra dizia, em parte: “Oh, você não pensa duas vezes sobre mim / E talvez você esteja certo em duvidar de mim, mas / Mas se você me der apenas uma noite / Você vai me ver sob uma nova luz.” Enquanto a câmera de Zobel fica firme nos dois únicos rostos na sala que importam por esses quatro minutos e meio, Zabel faz seu jogo de flerte e Mare de Winslet lhe dá um olhar muito conhecedor em troca.

ENTER NUMBER TWO
Para Peters, a atração de Zabel por Mare está ligada a muitas outras emoções confusas. “Mare se torna uma espécie de farol de luz”, diz Peters. “Apesar de todos os seus segredos e deficiências, ela se sente muito honesta. Se ele trabalhar bem com ela e resolver este caso autenticamente, acho que essa pode ser a sua redenção.” Peters também reconhece a “beleza óbvia” de Winslet como um aspecto fundamental do interesse de Zabel. Para Mare, a mistura de emoções em torno de Zabel é ainda mais confusa. No quinto episódio, Zabel morre repentinamente e de forma chocante enquanto ele e Mare rastreiam o homem que sequestrou e prendeu duas garotas locais. Nos momentos finais desse episódio, Mare fica em estado de choque com o que aconteceu, e o áudio de seu filho Kevin quando criança brinca em sua mente. É uma prova de que, para Mare, seu jovem parceiro era mais uma criança a ser protegida do que um homem que tem o coração voltado para ela.

A conexão entre os dois personagens é ainda mais profunda do que o que está na página. “Odeio a palavra meta”, diz Peters sobre sua admiração profissional por Winslet. “Eu nem sei o que isso significa. Mas tudo bem, vou tentar aprender com Kate. Vou tentar fazer o melhor trabalho que puder. Colin também vai lá tentando aprender com Mare.”

Winslet, que também foi produtora executiva de Mare, é uma parceira de cena amplamente reativa aqui, e Peters, nas garras de sua própria síndrome do impostor e cheio de ansiedade por ter dado um golpe tão grande com a embriaguez desleixada de Zabel, ficou grato pelo apoio. “Foi uma filmagem de montanha-russa”, lembra Zobel. “Acho que Evan, de repente, investiu muito para garantir que chegaríamos lá.”

“Kate é uma pessoa incrível e realmente empática e compassiva, cuidando de todos e de um jogador de equipe com os pés no chão”, diz Peters. “Ela está basicamente reagindo por eu ser um idiota bêbado. Ela foi muito paciente e me deu tempo para fazer isso… Tenho minhas inseguranças a respeito de cada cena. Ela tem me apoiado muito e está sempre disponível para mim. Vindo de Kate é realmente uma honra.”

A RESSACA
Depois de várias tomadas, tanto Winslet quanto Zobel estavam mais do que satisfeitos. “Eu estava nas nuvens”, diz Zobel. “Eu poderia dizer que foi especial quando estávamos filmando aquela coisa… Lembro-me de ter abraçado [Peters] no final. Foi emocionante.” Isso é um eufemismo; Peters estava um caco. “O motivo de estarmos emocionados e nos abraçando era porque eu estava soluçando histericamente”, diz Peters. “Achei que não tínhamos entendido a cena. Eu estava tipo, ‘Nós não entendemos, não entendemos. Eu não posso fazer isso. Eu sou terrível. Vou seguir você, Craig, e ser um diretor porque não posso mais fazer isso.”

Winslet tentou ajudar Peters a seguir em frente. “Eu estava tipo,‘ Oh, Deus, eu não entendi ’”, diz Peters. Winslet respondeu, no estilo enérgico da Mare: “Vamos tomar uma xícara de café. Eram ótimas. E assim fizemos.” Foi só quando o episódio foi ao ar e a cena recebeu elogios que Peters entendeu o que ele havia conquistado. “Fiquei surpreso… fiquei”, diz ele. “Eu pensei que tinha falhado miseravelmente.”

“Ele está vendendo a si mesmo”, diz Ingelsby. “Evan é maravilhoso.” Zobel concorda e acrescenta que ficaria entusiasmado em trabalhar com Peters novamente. “Eu realmente sinto que ele elevou esse personagem”, diz Zobel. “Ele encontrou uma maneira de criar um cara único que você reconhece. Você fica tipo, eu conheço aquele cara, ele mora com a mãe, mas ele é um cara tão bom.”

Pregar essa cena não apenas cimentou Zabel como um favorito do público e revelou ainda mais detalhes do talento de Peters, mas colocou todos que assistiam ao show no lugar de Mare quando Zabel finalmente morreu. De acordo com Ingelsby e Zobel, o horror e a tristeza de Mare por Zabel são o catalisador para sua descoberta terapêutica que, por sua vez, a ajuda a desvendar o caso. Em outras palavras, sem essa cena, o show não funciona tão bem. E bastou algumas lágrimas, vinagre de maçã e um pouco de John Mayer.

Para ler a entrevista completa e em inglês, clique aqui.

Fonte: The Wrap

Embora possa ter sido um choque para os telespectadores, aquela bomba no final do enervantemente tenso quinto episódio de “Mare of Easttown” não foi um choque para Evan Peters. (Definitivamente volte a esta matéria mais tarde se você não está a par do drama da HBO.) Depois de seu cativante e atencioso detetive Colin Zabel, finalmente ganhar a aprovação de sua parceira experiente Mare (Kate Winslet), completando com café juntos e um primeiro encontro particularmente complicado, Ele alcança sua posição de herói quando a dupla finalmente, chega a um esquisitão (Jeb Kreager) que eles suspeitam estar por trás do desaparecimento de, pelo menos, uma jovem de Delco (Delaware County, na Pensilvânia). Corte para um maço de cigarro Winston (uma pista chave), uma troca de olhares tensa, uma puxada de armas e antes que você pudesse dar um gole de seu café… Colin Zabel foi morto de repente e corações em todo o país foram machucados para sempre.

“Foi ótimo ver um começo, meio e fim para o arco do personagem, mas dizer adeus a Kate e o elenco e todos os outros foi muito triste”, disse Peters. E essa reviravolta chocante, forçou os espectadores também a aceitar o fato de que Colin, de fato, não estaria na lista de possíveis assassinos da história principal de uma jovem mãe (Cailee Spaeny) encontrada morta dentro de um riacho. “Eu tenho um pouco da coisa do arenque (peixe) vermelho, eu era como um alarme”, disse Peters com uma gargalhada. Mas quem poderia culpar um espectador por pensar tanto, especialmente do companheiro que uma vez interpretou Jim Jones, David Koresh e Charles Manson, tudo na mesma temporada de “American Horror Story”?

“Foi uma boa mudança entrar em algo um pouco mais realista”, disse Peters. “Originalmente, tínhamos falado sobre o Colin ser mais convencido, fazer truques enquanto jogava sinuca, e eu não tinha certeza se chegaríamos ao nível Tom Cruise em “cor do dinheiro”. Mas sempre soubemos que ele ia morrer. queríamos que sentisse por ele e não você não iria sentir se ele fosse tão arrogante.” O tipo “filhotinho abandonado” de Colin também permitiu que o ator utilizasse um “a arte imita a vida” já que ele tentava impressionar a vencedora do Oscar, colega de elenco, especialmente em uma longa cena de bar com Winslet em que o embriagado Colin abre-se sobre um encontro com o ex-noiva naquele dia — tudo em um sotaque Delco totalmente crível, e nada menos.

“Eu queria amplificá-lo e realmente me divertir com o sotaque, porque quando você está chateado ou em um lugar vulnerável, o sotaque definitivamente sai mais”, disse ele. “E então eu tive que mantê-lo por seis ou sete meses quando entramos em quarentena (para a pandemia).”

O veterano de “Pose” e “X-Men” também se dedicou à pesquisa, devorando documentários de crime da Netflix e episódios de “The First 48”, bem como a “Sex-Related Homicide and Death Investigation” de Vernon J. Geberth.” Peters descreveu o livro como “basicamente um livro de detetive com excelentes estudos de caso e Descrições — na vida real, este trabalho é muito baseado em portfólio e casual, muito diferente do que você vê na maioria dos filmes.”

O ator também conseguiu participar de um passeio bastante modesto na Pensilvânia, onde a ação policial que ele conseguiu ver incluiu “desbloquear a porta do carro de alguém, uma criança de 16 anos de idade dirigindo com sua mãe que cortou um espelho da janela e um São Bernardo perdido. É uma vida de cidade muito pequena, muito humilde e pé no chão. Muita gente fazendo coisas reais para sobreviver.”

Peters está atualmente trabalhando simultaneamente em dois projetos, a nova temporada de “American Horror Story “e o papel de título em “Monster: The Jeffrey Dahmer Story” de Netflix. Esses trabalhos marcam um fim temporário para sua continuidade em interpretar personagens facilmente relacionáveis, mas eles continuam um tema comum, já que ele também filmou a secreta “WandaVision” da Marvel enquanto filmava Mare. “Foi hilário”, disse ele. “Eu realmente era trazido para (“WandaVision”) em uma capa e um guarda-chuva. Mas é tão emocionante que as pessoas adoram ambas as séries. É muito bom trabalhar com pessoas que trazem a sua melhor jogada.”

Em entrevista ao site Awards Watch, Evan conversa ao telefone com o crítico de cinema e TV, Dewey Singleton, o qual faz perguntas sobre a minissérie Mare of Easttown, sobre as gravações e colegas de atuação.

É difícil imaginar que o Evan Peters que eu conversei no telefone hoje é o mesmo homem que interpretou uma gama de indivíduos doidos por 10 anos em American Horror Story e está em produção em Monster, interpretando o notório serial killer Jeffrey Dahmer, para o conhecido diretor de AHS, Ryan Murphy.
O incrivelmente prazeroso Peters, no qual alguns conhecem como Quicksilver do universo X-Men e mais recentemente visto em WandaVision, da Disney+, tem uma habilidade incrível de desaparecer em cada papel que assume. Quer ele esteja interpretando o marido extraviado Stan em Pose ou o ladrão de museu Warren em American Animals, sua preparação é completa e diligente e leva a resultados fantásticos. Seu último papel é um pouco diferente do que costumamos o ver interpretando. Peters interpreta o detetive Colin Zabel na minissérie de sucesso da HBO, Mare of Easttown, que acabou de finalizar sua temporada em 30 de maio como um dos maiores programas de TV da temporada, onde ele estrela ao lado de Kate Winslet e Julianne Nicholson. Zabel é a espinha dorsal moral desta narrativa e permite a Peters desempenhar um papel ao qual ele não está muito acostumado, um bom e legal cara. Tivemos a sorte de falar com Peters ao telefone sobre tudo, desde seu comercial Papa John’s Pizza, spoilers da Marvel, Ryan Murphy e sua atuação brilhante em Mare of Easttown. Mas cuidado, há spoilers pela frente se você ainda não viu a série inteira.

Dewey Singleton: Como está, Sr. Peters, está ouvindo? Você está aí?

Evan Peters: Estou ligado, estou aqui. Você pode me ouvir?

DS: Estou te ouvindo. Muito obrigado pelo seu tempo. Eu respeito isso. Eu sei que você tem coisas pra fazer, então vou superar isso e tentar não me abater. Muito obrigado por me permitir falar sobre sua performance maravilhosa em Mare of Easttown.

EP: Obrigado, obrigado por dedicar um tempo comigo num domingo. Eu agradeço.

DS: Vamos começar do início, é claro, porque tenho algumas perguntas importantes para fazer imediatamente. O que você mais temeu durante sua carreira, pessoas mencionando seu trabalho comercial com o Papa John’s ou recebendo um telefonema de Ryan Murphy para lançar mais um personagem doido?

EP: (risos) Na verdade, não me importo … Papa John’s … foi uma filmagem divertida. É sempre um prazer receber uma ligação de Ryan, você sabe, ele é um escritor tão brilhante. Por isso, estou sempre animado para mergulhar em algo com ele. Ele escreve coisas tão complicadas que são sempre um desafio.

DS: Veja, eu sou mais fã do seu comercial do Sour Patch Kids, mas acho que isso é apenas um preconceito meu.

EP: (risos) E quanto ao Progressive Insurance? Sempre adorei o Progressive Insurance.

DS: Esse fica em terceiro lugar para mim. (Peters ri) Se eu fosse classificá-los, provavelmente seria – Sour Patch Kids, Papa John’s e depois Progressive. Essa é uma classificação difícil para mim. Eu não me vejo a mudando nunca.

EP: E os do Moviefone?

DS: Sim, bem, poderíamos falar sobre isso mais tarde, mas estamos aqui para falar sobre Mare of Easttown, mas eu quero perguntar; o que você gosta em interpretar personagens que são muito sombrios e complicados?

EP: Acho que é um desafio. É por isso que me sinto atraído. Quando eu assumo esses papéis, acho que são muito difíceis de fazer. Acho que, como ator, acho isso um desafio muito intrigante e, como eu disse, você sabe, Ryan os está escrevendo. Acho que escrever é bom demais para não aceitar o desafio e mergulhar de cabeça. Acho que é isso que me atrai.

DS: É por isso que você concordou em interpretar Jeffrey Dahmer?

EP: É uma história de cair o queixo. Eu não sabia muito sobre isso. Então, eu estava animado para pesquisar e aprender mais sobre ele.

DS: Nos últimos meses, o que você mais procurava – spoilers da Marvel ou spoilers de Mare of Easttown.

EP: (risos) Acho que é Mare of Easttown. Todo mundo queria saber quem era o assassino.

DS: Falei com Julianne sobre sua atuação no programa, ela disse que muito poucas pessoas sabiam quem era o assassino. Você foi um dos poucos?

EP: Eu não sabia, não queria saber. Eu propositalmente não li os episódios seis ou sete para evitar descobrir. Eu queria acreditar que Wayne Potts era o assassino. Eu só não queria saber. Eu só queria aproveitar os dois últimos episódios como espectador.

DS: Eu escolhi o personagem de Julianne desde o início e, é claro, acabamos, você sabe, ambos errados no final. O que inicialmente o atraiu para o projeto?

EP: Bem, acho que Kate Winslet foi uma das principais atrações, com certeza. Quer dizer, eu sou um grande fã dela e ela é uma atriz brilhante. E então eu realmente agarrei a oportunidade de trabalhar com ela. Foi também um drama policial da HBO. Eu era um grande fã de True Detective e todos os programas da HBO que saíram, é um ótimo canal.

DS: Achei que você queria mostrar o outro lado de sua habilidade de atuação.

EP: Foi bom interpretar um cara que era bonito, sabe, pé no chão e normal e veio de uma cidade pequena. Você sabe, me senti mais perto de quem eu sou como uma pessoa que conheço. Esta é uma boa troca e uma mudança em relação às coisas que eu fazia no passado. Eu estava com um pouco de medo de trabalhar com Kate, mas ela provou ser incrivelmente colaborativa e simplesmente fantástica.

DS: O que havia de tão assustador na Kate?

EP: Eu acho que ela é uma das melhores atrizes do nosso tempo e, você sabe, só de estar na mesma sala com ela, principalmente em uma cena com ela, você sabe, foi realmente tudo naquele momento.

DS: Qual foi a cena mais difícil de filmar para você, sua sequência final no episódio 5 ou beijar Kate?

EP: Acho que foi beijar a Kate. Quer dizer, eu estava tão nervoso em fazer isso. (risos)

DS: Você já se cansou de toda aquela cerveja da Pensilvânia?

EP: Nunca, nunca se canse de beber isso. É muito bom! (risos)

DS: Eu solicitei algumas perguntas aos fãs para esta entrevista e fui enviado perguntando qual era a sua cena favorita de filmar.

EP: A cena do jantar quando estou no meu encontro com a Mare.

DS: Recebi alguns enviados que eram mais declarações do que perguntas. Eles basicamente disseram “Oh meu Deus … Oh meu Deus, eu te amo”.

EP: (risos) Obrigado!

DS: Você trabalharia com Brad novamente?

EP: Com certeza, num piscar de olhos, gostei de trabalhar com ele.

DS: Você faria uma sequência de Mare, onde vemos as raízes de Zabel?

EP: Estou muito satisfeito com a jornada do meu personagem e não acho que isso seja possível, mas eu trabalharia com Brad em quase tudo.

DS: Não tenho certeza de como você faria isso, já que seu personagem está morto.

EP: (risos) Concordo.

Mare of Easttown está disponível para assinantes do serviço HBO Max. Evan Peters está elegível para concorrer ao Emmy de Melhor Ator Coadjuvante em Série Limitada, Série de Antologia ou Filme.

Leia a entrevista completa em inglês aqui.

Fonte: Looper: Endless Entertainment

Evan Peters é um dos atores mais queridos da franquia “American Horror Story”. Embora ele já estivesse em vários projetos antes de “AHS”, incluindo “Sleepover” como Russell e “Kick-Ass” como Todd, não há dúvida de que a popular antologia de terror deu a Peters sua merecida ascensão à fama. Peters normalmente interpreta personagens perturbadores, que ele já confessou que o afetaram emocionalmente. Em 2018, ele disse à GQ: “Sou bobo, bobo, gosto de me divertir. Eu não gosto de gritar e berrar. Eu realmente odeio isso. Eu acho nojento e realmente horrível e tem sido um desafio para mim. ‘Horror Story’ meio que exigia isso de mim.”

Apesar dos desafios que ele enfrentou, Peters ganhou toneladas de reconhecimento por sua interpretação de personagens complexos em “AHS”, incluindo um garoto de fraternidade que virou zumbi e um líder de culto bizarro. Um de seus papéis mais notórios foi o de um serial killer chamado James March na 5ª temporada, intitulada “AHS: Hotel”. Peters trouxe com sucesso o personagem maligno e assustador à vida e foi indicado ao Prêmio Fangoria Chainsaw de Melhor Ator Coadjuvante na Televisão por isso.

Enquanto os fãs ficaram emocionados com a interpretação de March de Peters, ele originalmente deveria interpretar um personagem muito diferente na série.

 

Evan Peters foi originalmente escalado como um jovem amante

Em uma entrevista de 2016, Peters explicou que originalmente interpretaria o personagem Tristan Duffy, um modelo masculino que é um dos brinquedos de meninos da Condessa (Lady Gaga). Quando Deadline perguntou a Peters quais desafios ele enfrentou durante “AHS: Hotel”, ele confessou: “Bem, o ano passado foi muito difícil quando consegui o papel. Eu originalmente iria interpretar Tristan e então de última hora, Ryan [Murphy] estava tipo, ‘Você interpretaria esse cara, Sr. March?’ E eu disse, ‘Oh merda. Não sei se consigo fazer isso. Peters continuou explicando a pesquisa que fez para o papel para que pudesse imitar com precisão o sotaque de um magnata dos negócios dos anos 1930, incluindo assistir a filmes da época.

Tristan foi finalmente remodelado e Finn Wittrock ganhou o papel, enquanto Peters interpretou o muito mais sinistro Sr. March. Embora não haja dúvidas de que Peters teria feito um ótimo trabalho como Tristan, é difícil imaginá-lo interpretando qualquer outra pessoa que não fosse James March em “Hotel”. A décima temporada de “AHS” está se aproximando rapidamente, e Peters está voltando depois de fazer uma pausa na série perturbadora. Estamos ansiosos para ver que personagem excêntrico ele interpretará a seguir.

 

Em entrevista ao site The Wrap, a Mestre em adereços na produção audiovisual, Susannah McCarthy comentou detalhes sobre a produção da série Mare of Easttown e como foi trabalhar ao lado das estrelas Evan Peters e Kate Winslet.

[…] às vezes, os atores forneceram informações valiosas, como a forma como o costar Evan Peters utilizou uma caneca de marca especial que emerge do pas de deux que seu personagem e Mare tomam em seus cafés matinais do local de filmagens.
E a ideia de Kate Winslet de que o celular de Mare deveria sempre estar com a tela quebrada. “Evan e Kate olhavam para tudo com antecedência, até o coldre que deveriam estar usando, ou a caneta vaporizadora que representa um refúgio para Mare. Eles são atores incríveis e é uma alegria trabalhar com eles. ”
E, […] a comida é um grande negócio no programa, seja os salgadinhos da Mare, seus jantares com seus pretendentes masculinos (que incluem o colega detetive de Peters e o personagem que trabalha na faculdade, de Guy Pearce) ou as várias noites de pizza retratadas na série. “A comida era complicada, além disso, há muita bebida neste programa [como as cervejas Rolling Rock da Mare]”, observou McCarthy, um problema agravado pela pandemia, que forçou uma paralisação de produção de meses e mais do que uma pequena preocupação com todos esses detalhes úteis. “Nosso trabalho é higiene alimentar e segurança alimentar, e antes de colocar qualquer alimento no set, éramos abundantemente cautelosos, então cabia a nós garantir que estamos fazendo o nosso melhor para estarmos seguros”.

Para ler a entrevista completa e em inglês, clique aqui.

Em entrevista ao site Backstage, Evan relata detalhes sobre alguns testes para projetos de sua vida profissional, além de contar sobre seu processo de entrar nos personagens. E ao olhar para o passado, deixa uma mensagem para seu “eu” mais jovem.

Seja protagonizando uma nova antologia de Ryan Murphy, se mesclando ao universo cinematográfico da Marvel, ou atuando ao lado de Kate Winslet em “Mare of Easttown “, Evan Peters é um ator que se compromete totalmente, mas nem sempre foi desse jeito. Durante o início de sua carreira fazendo comerciais e pulando entre audições (como a com Seth Rogen para “Superbad”), o talentoso artista diz que ele falaria ao seu “eu” mais jovem para “parar de brincar” e levar o trabalho mais a sério como ele faz atualmente.

B: O que o fez primeiramente querer interpretar o detetive Colin Zabel?
E: Eu tinha os materiais e os roteiros eram maravilhosos e as pessoas participando também eram maravilhosa. Mas realmente foi a chance de trabalhar com Kate Winslet e apenas poder estar na mesma sala que ela.

B: Eu imagino que uma atriz como ela eleva a performance de todo mundo.
E: Sim, definitivamente.

B: Quando aparece um projeto como “Mare of Easttown”, o quanto mapeada é a sua performance como Colin? Você sabia de todos os rolos e desenrolar que estavam no caminho do seu personagem?
E: Eu tinha conhecimento até o episódio 5. Eu sabia o que acontecia até ali, e depois eu decidi que não queria mesmo saber o que aconteceria depois… Você sabe, você tem um plano, mas enquanto você está filmando e o ambiente toma conta e o que a Kate está fazendo e diretores estão pensando, você apenas entra no momento e brinca mais e tem uma visão melhor do que está sendo feito e o que pode ser reajustado.

B: Você se descreveria mais como um ator técnico ou mais instintual? Como funciona o seu processo de construir um novo personagem?
E: Ah cara, eu ainda estou tentando descobrir isso sobre mim. Eu acho que estou explorando maneiras diferentes de fazer as coisas e ver o que funciona e o que não funciona. Eu tenho fazer um pouco dos dois, sabe? Eu tento fazer o máximo de pesquisa que conseguir antes de começarmos a filmar. Eu assisto muita coisa, eu leio muita coisa, eu tento entrar na mente do que o personagem está passando e entender o mundo dele o melhor que eu puder. E aí um dia, quando você está lá e está filmando a cena, algumas coisas que você vem trabalhando funcionam e outras você apenas tem que largar de mão. Eu sou muito aberto e colaborativo para com novas ideias e técnicas e jeitos de trabalhar com todos os tipos de coisas, porque eu apenas estou tentando de tudo e vendo o que funciona. Então, é ainda um trabalho em progresso, eu acho que essa é a melhor resposta.

B: Você trabalha em oposto com a Winslet aqui, e olhando para o resto dos seus trabalhos, você tem tido muitas companhias de cena maravilhosas durante os anos. Na sua opinião, o que faz um ator ser uma grande companhia de cena?
E: eu aprendi que tem muito a ver com estar no momento e tipo ir com o que você tem e o que funciona e estar bem relaxado. Você sabe, eu acho que muitos dos companheiros de cena e ótimos atores e atrizes que eu trabalhei são sempre muito relaxados e confortáveis. E depois eles entram com tudo na cena. É realmente muito impressionante assistir eles fazendo isso. Isso é uma coisa que eu sempre quis ter deles.

B: Acabando com “Mare” aqui especificamente, teve alguma interação que apareceu em cena que te pegou de surpresa no momento? Alguma coisa entre você e Winslet que realmente te animou?
E: Tiveram algumas coisas. Eu acho que uma coisa que sempre me interessou muito foi que ambos, o diretor Craig Zobel e eu e Kate pensamos que foi realmente engraçado o quanto a Mare não quer o Colin lá no início. E então, para isso, a Kate vinha nas cenas muito dura e difícil de se entrosar, sabe? E como Colin, você está sentado lá tentando conversar com ela e dizendo “Olha, cara, eu estou tentando te ajudar. Você pode me deixar?” E eu sempre achei isso muito chocante no momento, porque eu simplesmente nunca imaginei que ela não me queria tanto desse jeito. Então aquilo foi meio que chocante e eu me via depois de uma filmagem tipo, oh, meu, Deus. É tão engraçado o que ela faz em não me querer lá de jeito nenhum e eu estou tentando tanto fazer com que ela goste de mim. Então isso sempre foi um momento chocante.
E depois eu acho que naquela cena no bar, teve um momento no final quando ela diz algo e ela meio que me deu um olhar em alguma hora que ficou tipo, “Talvez eu queira que você fique aqui comigo.” Sabe? E eu meio que fui pego ali. Eu só olhei pra ela de um jeito e senti aquele sentimento tipo oh meu Deus, talvez ela realmente me queira aqui! Foi aquele sentimento de animação e atração que me pegou de surpresa no momento. Então isso foi outra coisa que eu não estava esperando que ela fosse fazer, se abrir um pouco naquele momento.

B: Ela te mantém na reta.
E: Exato, sim.

B: Como você recebeu sua primeira carta do SAG-AFTRA?
E: Eu acho que foram alguns comerciais. Foi num comercial do Papa John’s ou Sour Patch Kids ou um comercial do Moviefone. Foi um desses três, porque naquela época, eu fazia esses comerciais e já estava apto para o prêmio Taft-Hartley e então finalmente recebi o cartão.

B: Você tem algum teste para American Horror Story que poderia compartilhar conosco?
E: Eu tenho muitos. Eu lembro que uma vez estava fazendo teste para “Superbad“, esse realmente se destacou. Eu lembro que Seth Rogen estava na sala, e eu estava tão nervoso. Eu tremia. Você sabe, eu tinha tudo pronto, mas eu provavelmente poderia ter me preparado mais. Foi nos meus 20 e poucos anos, não sabia o que eu estava fazendo; talvez até tenha sido antes dos meus 20 anos, na adolescência. Eu estava tão nervoso, e minha boca estava tão seca que eu nem conseguia falar nada. Eu estava tentando tanto parecer tranquilo, mas eu não conseguia respirar, eu estava tremendo, e minha boca estava tão seca de forma que depois do teste, eu acredito que Seth ou o diretor de elenco disse a um dos assistentes de elenco para me trazer um copo de água. (Risos) Eles me trouxeram esse copo gigante de água, e aquilo foi o final do teste. Eu não passei.

B: Eu acho que isso poderia ter tido dois lados. Ou você teve sucesso interpretando de modo super estranho um desses personagens adolescentes, ou tudo apenas caiu por terra.
E: Sim, eu falhei totalmente.

B: Qual foi a coisa mais selvagem que você já fez para conseguir um papel?
E: Eu lembro desse filme que eu fiz, “Gardens of the Night“, eu estava interpretando um personagem que se vestia com roupas de mulher e usava maquiagem, então eu deixei minhas unhas crescerem bem grandes e as pintei. Eu meio que já sabia que ia conseguir aquele papel. Então eu comecei a fazer isso, e eu apostei total em roupa, maquiagem e tal, de roupa feminina. Eu acho que elas eram meio estranhas. Mas eu decidi ir com tudo. Eu realmente queria o papel.

B: Eu terei que voltar e assistir esse de novo. Eu sei que o elenco tinha Gillian Jacobs, John Malkovich…
E: Sim, foi um filme ótimo. Eu realmente gostei de trabalhar nele. Foi legal. Nós fomos conversar com as crianças que tinham sido tiradas de suas famílias ou jogadas na rua. Foi interessante trabalhar nisso com certeza. Eu aprendi muito.

B: Qual é a performance que você acha que todo ator deve ver e por quê?
E: Existem muitas. Quando eu era muito mais jovem, eu estava assistindo “Forrest Gump”. Eu acho que o Tom Hanks nesse filme é uma performance fenomenal e emocionante e engraçada, e ele acertou em tudo. Não tem um erro qualquer. E depois quando eu cresci, eu acho que foi depois que Marlon Brando morreu em 2004, que alguém disse, “Olha, o Marlon Brando morreu” e eu disse, “quem é Marlon Brando?” (Risos) Então depois é claro que eu fiquei obcecado com ele, e sua performance como Stanley Kowalski (em Uma Rua Chamada Pecado) é uma das melhores atuações que eu já vi. É tão fluida e natural que joga as coisas ao ar e elas explodem. Ele está apenas incrível nesse papel.

B: Você também mencionou que um dos grandes motivos de participar de Mare of Easttown foi a atuação com Kate Winslet. Você tem alguma performance favorita da carreira dela?
E: Essa é uma pergunta tão difícil. Ok, eu vou lhe dar três: obviamente “Titanic”, esse é essencial. E depois “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças”, onde ela é simplesmente hilária e adorável, maravilhosa, trágica, assustadora e todas essas coisas. É realmente incrível ver ela trabalhar nesse filme. E depois “O Leitor”, que é arrebatador, performance brilhante. E tão difícil de fazer. Eu não consigo imaginar o quão difícil foi fazer aquele filme. Ela realmente é incrível. Então, eu acho que essas três. Eu não poderia lhe dar apenas uma, ela é boa demais.

B: Qual seria o seu conselho para o seu “eu” jovem?
E: Eu sinto que foi depois dos meus 20 anos que eu comecei a ser tipo, “Você precisa levantar essa bunda. Você precisa tentar trabalhar mais duro.” Pare de brincar por aí, essencialmente. Eu estava me divertindo por aí e saindo no meu instinto e brincando demais (como um ator), e se nada me intrigasse na época, eu simesmente estragava com tudo e acabava com tudo. E isso é claro para mim. Era apavorante. Mas, é, eu diria: “Você precisa botar o cinto e sentar direito. E tentar muito. Dê tudo de si. O truque é. Você nunca aparenta que está tentando o suficiente. Eu acho que Laurence Olivier disse, “Se você der 110%, parece que está tentando demais, então você tem que dar 65%.” Eu acho que isso significa mais em termos de preparação, aprender suas falas, fazer sua pesquisa, preparar o quanto você possivelmente pode, e depois deixar tudo levar e se divertir, o que é difícil pra c****** de fazer quando se tem tanta pressão. Então, eu não sei. É uma faca de dois gumes: Tente arduamente e deixe-se levar, o que ainda estou aprendendo a fazer. Mas, sim, eu diria: “Pare de brincar por aí, cara. Memorize suas falas, se destaque, e tente seu melhor.” Isso é o que eu diria a mim mesmo quando jovem.

 

Leia a entrevista completa em inglês aqui.

Em entrevista ao site ScreenRant, o diretor da série Teen Wolf afirmou detalhes sobre os testes de elenco para sua série.

No aniversário de dez anos da série da MTV Teen Wolf, foi revelado que Evan Peters e Noah Centineo teriam feito audições de testes para participar do drama sobrenatural. Evan Peters e Noah Centineo poderiam ter estrelado em Teen Wolf. Brevemente baseado no filme de mesmo nome de 1985, Teen Wolf estreou na MTV em junho de 2011. O drama sobrenatural centrado em Scott McCall, (Tyler Posey), um jovem lobisomem que defende sua cidade Califórnia de forças perigosas, com a ajuda de seus amigos.

Um dos amigos importantes de Scott, e precisamente sua companhia mais próxima, era Stiles Stilinski. O personagem foi interpretado por Dylan O’Brien, e a caminho do papel pivotal, O’Brien não tinha a longa lista de seus trabalhos escritos, então ofereceu apenas alguns links do seu canal de YouTube para mostrar suas habilidades. Ainda assim, ele conseguiu ultrapassar os demais concorrentes do papel de um dos personagens mais memoráveis de Teen Wolf. Para celebrar uma década desde a estreia de Teen Wolf, o criador da série Jeff Davis revelou quem mais tentou participar do drama.

Em uma conversa com o E! Online para a ocasião, Davis revelou alguns segredos por trás do elenco da série. Em destaque, foi revelado que a estrela de American Horror Story, Evan Peters, teria feito teste para o papel de Stiles. Também foi revelado que Noah Centineo, que teria sua performance revelação em “Para Todos os Garotos Que Amei”, tentou mais de quatro vezes na esperança que interpretar um personagem sem especificação. Cameron Dallas, um YouTuber e ator, foi outro nome entre vários dos participantes.

Dado o fato de que O’Brien foi um grande fator no sucesso de Teen Wolf, nos olhos dos fãs e dos críticos, teria sido interessante ver o que Evan Peters teria feito com o personagem. Não há dúvidas de que Peters teria entrado na escuridão que Stiles presenciou no arco da terceira temporada, quando ele fica possuído pelo Nogitsune. Mas de tudo que fez Teen Wolf, particularmente nas últimas temporadas e também as mais aclamadas, foi como O’Brien tornou o arquétipo de melhor amigo coitadinho a um personagem ótimo em ambas cenas de comédia e drama. Davis também diz que olhando para a série agora, que a relação entre Stiles e Scott foi o coração da série da MTV. Talvez essa dinâmica não teria trabalhado tão bem sem a conexão entre O’Brien e Posey, como a dupla que tinha um tipo de química natural e que até moraram juntos por um tempo.

E para seu papel, saiu muito bem. Apenas um ano depois que Teen Wolf estreou, Peters se tornou um membro crucial de American Horror Story e tem interpretado uma variedade de diferentes personagens na antologia. Mais recentemente, o ator ganhou aplausos por sua performance em WandaVision e Mare of Easttown. Há certas intrigas relacionadas a potenciais papéis que nunca foram materializados. Mas, neste caso, é seguro dizer que as coisas foram bem para ambos Peters e O’Brien durante o tempo. O mesmo vale para Centineo, que apareceu mais recentemente, e se estabeleceu como uma das performances mais notáveis de Hollywood.

O post completo em inglês pode ser lido aqui.

Fonte: E!

Mare of Easttown

Sim, Kate Winslet é incrível em tudo o que faz – então é realmente necessário um verdadeiro talento como Evan Peters para quase ofuscar uma vencedora do Oscar. Ainda estamos abalados com a morte prematura do Detetive Colin Zabel (Peters) (e foi logo depois que ele convidou Mare de Winslet para um encontro!), Mas apenas adicione isso às muitas reviravoltas da série chocante da HBO. Nós somos stan de Zabel, vivo ou morto.

 

WandaVision

Pietro está de volta! Wanda (Elizabeth Olsen) ficou maravilhada ao ver seu gêmeo Pietro Maximoff (Peters) aparecer em seu mundo de sonho. No entanto, seu irmão não era o que parecia – na realidade, a reencarnação de Pietro era apenas o vizinho Ralph Bohner sob controle mental – mas seu doce reencontro foi mais emocionante graças à atuação dedicada de Peters. Os fãs do Multiverso Marvel podem ter ficado desapontados porque o elenco não foi um Easter egg para o Mercúrio de ​X-Men​​ (está tudo bem se você está confuso também), mas certamente o queremos de volta se houver uma segunda temporada de WandaVision. E não, esta não é a primeira vez que Peters interpreta um homem morto que volta à vida…

 

Xmen

Por falar em X-Men, ele começou a interpretar o Mercúrio de fala (e movimentos) rápidos em 2014. Seus gracejos irônicos e entrega impassível apenas lembraram aos fãs que Peters é secretamente um comediante – mas ele realmente pode fazer tudo, mesmo na velocidade da luz.

 

American Horror Story

Tudo bem, verdade seja dita, achamos que Tate Langdon era um gostoso. Não porque ele era um assassino (qual é, não somos tão malucos aqui), mas porque a atuação de Peters foi emocionalmente envolvente. Desde a primeira temporada de American Horror Story em 2011, Peters ficou cada vez melhor… tanto como ator quanto como gostoso.

 

…Por uma década assustadora inteira

Ele até faz o garoto da fraternidade parecer fofo! O  crossover de AHS 8 não foi páreo para o morto-vivo Kyle Spencer.

 

Pose

O ator se reuniu com o produtor da AHS , Ryan Murphy, para a série da FX Poseambientada na cena da moda de salão de baile de Nova York dos anos 80. Embora Peters não conseguisse se identificar com seu personagem Stan, ele nos fez desmaiar novamente durante uma entrevista à GQ , durante a qual chamou o papel de “desolador”. Ele passou a chamar a série de “uma enorme experiência de aprendizado” trabalhando com a comunidade transgênera. “É uma comunidade incrivelmente forte e tiveram que lidar com problemas muito maiores do que qualquer coisa que eu já tive”, continuou Peters. “Isso só me fez mais humilde.”

 

American Animals

Baseado em um verdadeiro roubo de livro raro, American Animals foi um filme aclamado pela crítica, mesmo que silencioso. Peters, é claro, rouba mais do que apenas livros da biblioteca em seu papel. Estamos falando sobre nossos corações, gente! Não é de se admirar que ele tenha sido vinculado a mais de uma co-estrela do passado…

 

The Office

Foi apenas um episódio, mas sua presença na série icônica The Office ainda vale um elogio. Peters se encaixou perfeitamente com Michael Scott (Steve Carrell) e sua equipe como o sobrinho estúpido de Michael que conseguiu um emprego por meio de (o que mais?) Nepotismo. Basta contar Peters entre as muitas outras participações especiais de celebridades em  The Office! Talvez ele até apareça em uma possível reunião.

 

Kick-Ass

Ele foi apropriadamente chamado de Ass Kicker em Kick-Ass 2, após ser um ajudante de apoio no primeiro filme. Curiosidade: ele também compartilhou o papel de Mercúrio * verificando nossas anotações sobre a história da Marvel * com o co-astro Aaron Johnson. Multiversos, cara.

 

One Tree Hill

Embora provavelmente não seja o personagem mais importante em One Tree Hill vamos combinar, definitivamente não – Jack ainda marcou uma virada crucial na sexta temporada da série. Com pais adotivos, confrontos de armas e um enredo de melhor amigo que virou relacionamento amoroso de Sam (Ashley Walker), a temporada de Peters com certeza foi repleta de drama.

 

Sleepover

Finalmente, qualquer desculpa para mencionar o filme adolescente insanamente subestimado, Sleepover. Esta foi sua segunda aparição em um filme no mesmo ano em que estreou nas telas, e Peters interpretou um nerd adolescente irritante perfeitamente. Procure o número de dança dele e você definitivamente não se arrependerá.

 

Os últimos personagens de Evan Peters experimentaram alguns dos destinos mais surpreendentes e tortuosos deste ano. Veja por que ele fez tantos “falsos” em 2021.

Fonte: Screen Rant

Aviso: Seguem SPOILERS de Mare of Easttown WandaVision, incluindo o destino dos personagens de Evan Peters.

Acontece que 2021 está se tornando continuamente o ano das “falsificações” de Evan Peters . Nos últimos dois programas de televisão em que participou – WandaVision e Mare of Easttown – Peters retratou personagens que foram construídos para ser mais do que são… até que não são. Embora certas revelações não tenham agradado aos fãs, a resposta crítica a essas “falsificações” fala sobre o talento de Peters e sua presença na tela.

Embora seja mais conhecido por seus papéis na série de antologia de terror de Ryan Murphy, American Horror Story , e como Peter Maximoff / Mercúrio nos filmes X-Men recentes, a última passagem de Peters no drama policial Mare of Easttown continua sua série de chocantes reviravoltas de personagem. Mare of Easttown é estrelada por Kate Winslet no papel do detetive Mare Sheehan, que relata o assassinato de uma adolescente local em uma cidade pequena. Evan Peters interpreta o detetive do condado Colin Zabel, enviado para ajudar Mare na caça ao assassino.

Peters como Colin traz uma dose bem-vinda de leviandade, vulnerabilidade e integridade em uma minissérie sobrecarregada por novas tragédias e traumas do passado. Em apenas quatro episódios, ele parecia posicionado como um personagem principal na vida de Mare e no caso de assassinato, especialmente depois de revelar a Mare que ele não era o jovem detetive que as pessoas faziam parecer. A série até sugeriu uma possível relação futura entre Mare e Colin no episódio cinco. Imediatamente se extingue qualquer esperança de que ele ajude Mare a encerrar o caso quando a morte de Colin ocorre depois que ele é baleado no final do episódio, enquanto eles estão interrogando o sequestrador de duas meninas. É um final brutal e surpreendente para um personagem que o programa sugeriu que seria um grande ator. Embora isso possa não parecer tão épico quanto a “falsificação” de WandaVision, ainda é um final decepcionante e abrupto para um personagem inerentemente decente e um arco narrativo atraente.

O papel de Evan Peters como o falso Pietro em WandaVision causou o mesmo choque que muitos telespectadores sentiram após a morte de Colin. Muita especulação girou em torno da introdução do Mercúrio de X-Men, pois parecia sinalizar a tão esperada fusão entre o MCU e os X-Men, cujas propriedades são da Disney após a aquisição da Fox e toda a sua propriedade intelectual. No entanto, o personagem dos X-Men de Peters acabou sendo uma grande “falsificação” – em vez de Mercúrio, ele era na verdade Ralph Bohner, um residente de Westview que Agatha Harkness usou para investigar toda a extensão dos poderes de Wanda. Ele era apenas uma pista falsa.

Embora essas duas “falsificações” sejam mera coincidência, isso levanta questões sobre o que está por vir para Evan Peters na décima temporada de American Horror Story. American Horror Story é notória por sua narrativa e curvas de caráter. Seu próximo personagem poderia gerar um momento mais refrescante como WandaVision  ou Mare of Easttown? Se for outra “falsificação” de Evan Peters, esperemos que atraia atenção positiva.

 

Em entrevista ao podcast Still Watching da Vanity Fair, Evan conta sobre o processo das filmagens da minissérie Mare of Easttown na qual interpretou o detetive Colin Zabel. Também trás detalhes das filmagens durante a pandemia e conta à entrevistadora Joanna Robinson qual são os planos para sua carreira e filmes que está curtindo atualmente.
Joanna: Ok eu vou começar com uma pergunta meio idiota mas foi o que todos perguntaram, que é: O que te atraiu para este projeto em primeiro lugar? Mas eu estou muito curiosa com a sua resposta porque esse projeto foi muito diferente para você então eu estou muito interessada. 

Evan: Sim. Eu fiz parte de algo diferente. Eu sempre via que no projeto tinha a Kate Winslet então pensei… SIM! OK! (Risos) Mas eu fiz meu teste em vídeo e mandei para eles e, eu gosto da ideia que a série se passa em uma cidade pequena, eu vim de uma cidade pequena então tudo pareceu muito real para mim. Então eu fiquei interessado em trabalhar nisso e novamente, era uma oportunidade de trabalhar com Kate Winslet e aprender com ela e ver seu processo. Então, é, foi basicamente isso.

Joanna: O que você aprendeu do processo dela?

Evan: Eu aprendi sobre detalhes. Kate é uma pessoa muito detalhista e orientada. Então isso foi muito útil e não sei quanto disso fazia parte do processo dela. Ela costumava chegar às 2:38 da tarde para o trabalho e dizer “ok, nós acabamos de almoçar, pegamos um café agora vamos fazer isso”. E eu pensava “será que eu deveria ser assim?” (risos). Eu não estava preparado desse jeito, então era muito legal ver ela chegar e já entrar nas circunstâncias da história e do personagem, eu achei isso muito legal e útil. E a Kate é uma pessoa maravilhosa, ela tem muita empatia e compaixão e cuida de todos, e trabalha em grupo, também é pé no chão e essa habilidade de sair e entrar no personagem com tanta facilidade me deixou incrivelmente com inveja disso. Então foi muito bom ver ela balancear isso tudo na série e trabalhar tantas insanas horas e ainda ser um doce de pessoa então foi realmente muito incrível trabalhar com ela.

Joanna: Eu estava conversando com o diretor (da série), que é o homem mais amável do mundo e ele me disse que enquanto ele lia as páginas do roteiro, ele via o personagem (Zabel Colin) muito diferente, que tinha uma abordagem diferente. E vocês decidiram dar outro ar ao personagem, o que foi uma boa ideia. Eu queria saber se você tinha ideia disso e se considerava o personagem tendo outro ângulo como no roteiro?

Evan: Sim, eu acho que originalmente ele tinha um ar de detetive durão e que estava sempre certo, ele sabia puxar a arma muito bem e rápido e eu nem estava fazendo aulas sobre isso (risos). Mas ele mora com a mãe e sua ex o deixou faz 5 anos, então ele acabou pegando aquele caso anterior dele como se ele tivesse resolvido e depois viu o quanto ele tinha errado fazendo isso. E eu acho que você pode interpretar isso de duas maneiras, ou ele fez isso porque era muito orgulhoso ou porque tinha muita insegurança dentro de si e não faz ideia do que está fazendo ali. Então, eu prefiro fazer do segundo jeito e eu realmente acho que interpretei Colin do jeito que eu estava aprendendo com Kate, Colin estava aprendendo com Mare, como ela lida com seus instintos e isso é algo que Colin perdeu então ele está tentando ganhar isso tudo de volta. E eu acho que foi divertido ter o Colin desse jeito ali perto da Mare sem saber onde ir e aprendendo tudo com ela, pois afinal ela sabe que apesar de tudo ele só quer aprender a trabalhar corretamente e fazer um bom trabalho, ela vê a inocência nele.

Joanna: Tem uma cena no episódio três que Colin está bêbado e ele fala várias coisas que eu acho que o público pode se identificar muito com ele e realmente é uma das melhores cenas de bêbado que eu já vi então, eu queria saber como foi o processo para gravá-la?

Evan: Obrigada! Foram anos de pesquisa e experiência (risos). Mas realmente acho que ali Colin queria falar algo que ele estava guardando no peito, ele queria ter alguém perto dele para compartilhar aquilo e depois de ter pego as evidências do outro cara e surgido com elas como se ele tivesse descoberto, ele acabou se afogando nas bebidas para se livrar daquela lembrança, e aí aparece a Mare e ele realmente gosta muito dela. Ele vê nela esse sentimento que o faz sair da sua zona de conforto e ele gosta disso, ele vê nela o bom detetive que ele quer ser. Não sei se isso foi uma resposta muito técnica para sua pergunta. 

Joanna: Eu tenho uma pergunta técnica na verdade sobre essa cena, que durante ela eu olhei bem de perto e vi suas veias saltadas no rosto e pensei se você estava espremendo seu rosto entre seus joelhos durante as filmagens para aquilo acontecer (risos).

Evan: Eu não sei, eu acho que isso acontece quando a coisa fica intensa ou eu fico muito emocionado ou algo assim, acho que é.

Joanna: Isso acontece quando eu bebo muito álcool, mas eu acho que isso ficou ótimo para cena.

Evan: Após esta cena eu abracei muito o Frank (diretor) e chorava compulsivamente porque eu achava que nós não tínhamos filmado a cena corretamente então eu comecei a gaguejar e falar “eu sou um ator terrível eu fiz tudo errado e arruinei tudo” e o Frank disse “não ok ok está tudo bem, eu acho que nós pegamos tudo certo” e eu continuava dizendo que não sabia e duvidando de mim mesmo. E depois me disseram que as pessoas estavam realmente amando aquela cena e eu fiquei tipo “sério?” Então foi um ótimo alívio, mas eu pensei muito sobre o que estava acontecendo com o meu auto julgamento naquele momento.

Joanna: Acho que todos temos um pouco dessa síndrome de impostor com nós mesmos, não é?! Agora quero saber sobre as filmagens na pandemia, como foi tudo isso?

Evan: Nós saímos das filmagens em março de 2019 e voltamos em setembro então eu acho que na maior parte houveram muitas edições acontecendo na série, aí quando voltamos tínhamos todas as máscaras e face shields e proteções diferentes com todo o pavor de pegar esse vírus mortal então eu estava tentando juntar tudo isso com a ideia de ter que voltar pras gravações e todo o sotaque do personagem (risos). 

Joanna: O sotaque foi outra coisa que você achou que não tinha conseguido fazer? Porque todos estão dizendo que o seu foi o melhor sotaque da série ou um dos melhores.

Evan: Sério? Nossa! (Risos). Sim eu achei que não tinha conseguido isso também, mas também tinha a Kate que é da Inglaterra e eu sempre a vi falando inglês britânico e ela chegava e falava igual uma americana! Mas tínhamos também o Steve que tinha o sotaque que o Colin devia ter e eu conversava muito com ele pra ensaiar e estudar o sotaque. Eu nunca havia ouvido esse tipo de sotaque na minha vida então foi muito novo para mim, mas eu amei e foi muito divertido de fazer e bizarro (risos).

Joanna: Eu tenho que perguntar aqui o que você acha da morte do Zabel, porque foi algo muito chocante naquele episódio porque ele estava aprendendo algo com a Mare e sua vida estava tomando outras direções e então então acabou. A primeira vez que eu vi pensei que a bala tinha escapado da cabeça, mas depois vi todo o sangue e notei que tinha acertado. O que você me diz desse acontecimento?

Evan: Pobre Zabel, eu sempre achei tão chocante e real. Morte, acidentes, doenças, esse tipo de coisa acontece do nada e não sabemos como reagir. Mas eu acho que isso deixou claro como é assustador e perigoso trabalhar como detetive e como as coisas podem acontecer com você, mas realmente me chocou muito.

Joanna: Como você incorporou e interpretou a fé do Zabel?

Evan: Eu sempre fui criado num ambiente católico, eu fui a uma igreja católica quando criança e é interessante porque na verdade eu nunca pratiquei o catolicismo, eu me considero na verdade um agnóstico atualmente, e eu acho que fiz isso com o Zabel também. Mas acho que ele também está num tumulto com essa questão pessoal porque vemos ele tendo problemas com seu trabalho de detetive e vendo o que ele vê diariamente no seu trabalho realmente é algo que mexe com sua fé e a abala um pouco. E ele também tenta se distanciar da mãe até onde vimos e sua mãe é uma católica praticante então isso acaba sendo outra deixa para ele se distanciar da religião em si. Eu acho que a vontade de Zabel era sobretudo se distanciar de toda sua família, virar um homem e mandar tudo pro alto, ser independente finalmente e ter tudo sob nova perspectiva. Ele é um garoto-homem e a Mare vê isso e deixa claro pra ele que ele tem que se posicionar e ter suas próprias opiniões e ideias que fogem da sua normalidade com a família.

Joanna: Evan, minha última pergunta, e novamente muito obrigada por aceitar fazer isso conosco.

Evan: Sem problemas, obrigado à vocês. 

Joanna: Eu sei que sua carreira tem sido bem sólida como ator, mas eu fico imaginando se após todos esses trabalhos você gostaria de se aventurar como diretor ou algo assim? 

Evan: Sabe, a última vez que eu falei com o diretor da série eu disse que queria muito participar do próximo projeto dele porque o cara é muito legal e tem muita criatividade, foi uma experiência maravilhosa trabalhar com ele. E em termos de direção eu acho que quero tentar algo mais relacionado a projetos da vida e do dia a dia de todos, estou atualmente assistindo muito desse tipo de projeto mais autêntico mas acho meio assustador partir da atuação para a direção, mas vamos ver como tudo continua, não se sabe… 

Joanna: Bem rapidinho, eu gostaria de saber quais são as coisas essas que você diz que está assistindo atualmente nesse tom?

Evan: Eu sabia que você ia perguntar isso (risos). Eu tenho uma ótima lista, não sei se vou pronunciar isso certo mas tem um filme que é Au hasard Balthazar de 1966, é um dos melhores filmes que eu já vi e não tem nada demais nele mas a atuação é ótima e tão emotiva, nem tenho palavras pra descrever esse filme (risos). E também assisti Stroszek que foi ótimo, Uzak também, foi um filme muito calmo e silencioso, Buffalo’66 era legal também, muito intenso. Ah! E também A Woman Under the Influence, é ótimo! Filme fantástico e com atuações fantásticas. E uma coisa que eu gostei desses filmes é que eles são bem longos, mas nada é cortado deles, nenhuma cena pequena é cortada, está tudo ali. É tudo muito animador de assistir, então eu estou bem interessado nesse tipo de filme no momento.

Joanna: Acho que depois desse ano tumultuado que tivemos, é legal ver esse tipo de filme.

Evan: Exato! De volta às raízes. 

Ouça ao podcast em inglês aqui.