O site Los Angeles Times fez uma entrevista com Evan, sobre seu último projeto, “Dahmer: Um Canibal Americano”, confira a matéria traduzida pela nossa equipe:

A série de sucesso da Netflix “Dahmer – Monster: The Jeffrey Dahmer Story” não é o primeiro contato do ator Evan Peters com o mal. A estrela esguia ganhou um Emmy por interpretar Colin Zabel, o jovem detetive um pouco fora de si em “Mare of Easttown”, e os fãs da Marvel o conhecem como Mercúrio. Mas o nome mais poderoso associado a Peters é o showrunner da lista A, Ryan Murphy. Desde 2011, eles trabalharam juntos em vários projetos, incluindo “American Horror Story”, o que torna Peters familiarizado com maníacos homicidas. E entrar na cabeça de Jeffrey Dahmer por seis meses, 10 se você contar a preparação, requer resistência, determinação e uma dose generosa de masoquismo.

“Eu realmente lutei com isso no começo”, disse Peters ao The Envelope. Depois de várias temporadas em “American Horror Story” de Murphy, ele estava tentando evitar interpretar outro personagem sombrio. “Era algo que eu realmente não planejava fazer, mas Ryan me enviou o roteiro, e a escrita e a série foram tão trágicas e convincentes que me senti realmente afetado por isso.”

Filmado principalmente em Los Angeles entre março e setembro de 2021, “Monster” segue a vida de Dahmer desde seus anos de escola em Ohio até seu assassinato em 1994 nas mãos de outro prisioneiro na Columbia Correctional Institution em Wisconsin. Até então, Dahmer havia matado 17 homens e meninos. Algumas das vítimas foram desmembradas, suas partes armazenadas em seu apartamento em Milwaukee e outras ele comeu. O mau cheiro avisou os vizinhos na parte predominantemente negra da cidade, onde a polícia evidentemente estava acostumada a ignorar as reclamações.

“Nossa missão era mostrar a tragédia que foi e como o sistema falhou. Por causa de múltiplas formas de preconceito, falhou com as vítimas e seus familiares e vizinhos que tentaram soar o alarme”, diz Peters. “Depois de ler, olhei para o sistema de maneira diferente e esperava que, se as pessoas assistissem, sentiriam o mesmo.”

Você poderia dizer que “Monster” é um show de terror com temas sociais que enfatiza a escrita e a performance em detrimento do sangue e da violência. Poderia ser chamado de horror do homem pensante, o que o torna enfadonho. A verdade é que é tudo menos isso. Na mesa de Dahmer está uma broca sangrenta, um martelo sangrento está no quarto e no prato da geladeira está um pedaço magro de carne crua esperando para ser consumido. Isso é quase todo o sangue que você recebe e é tudo o que você precisa.

Em vez de depender de edições rápidas e conteúdo gráfico, os cineastas aumentam a tensão diminuindo a velocidade da ação e apoiando-se no subtexto. Peters não precisa parecer assustador. Sabemos o que ele é, sabemos do que ele é capaz e sabemos que o pobre jovem que ele acabou de trazer de volta para seu apartamento deve resolver as coisas logo ou estará perdido.

“Eu estava constantemente dizendo a mim mesmo para desacelerar e levar meu tempo durante todo esse processo. Eu não sabia que eles iriam editar em tomadas longas. Então, de alguma forma, por acaso, acabou dando certo ”, diz ele.

Por acaso ou não, quanto mais você trabalha, mais sorte você tem. E Peters fez o trabalho duro. Com quatro meses de preparação (uma vida inteira no cinema e na TV), ele se debruçou sobre livros, entrevistas, perfis psicológicos, confissões, recortes de jornais e documentários.

“Você vê essa forma de arrependimento”, diz ele sobre as entrevistas com Dahmer.  “Mas é realmente uma confusão sobre por que ele queria fazer o que fez e entender que estava errado. Ele lutou contra isso e se automedicou com álcool, mas acabou optando por fazer a transição e começou, como ele disse, ‘o longo deslize’. É uma deterioração em uma compulsão. E misturado com o agravamento do alcoolismo, ele se perde completamente e não consegue mais se controlar.”

Desafios adicionais de atuação incluíram o envelhecimento do personagem de 17 para 34 anos. Sua voz e comportamento mudam enquanto seu alcoolismo e compulsão pioram. Peters esperava interromper a produção por algumas semanas enquanto ganhava 9 quilos, mas Murphy considerou isso impraticável.  Juntando-se a um treinador de dialeto, Peters criou uma composição de áudio de 45 minutos que ouvia todos os dias. Lhe emprestaram os sapatos que usaria para o papel e muitas vezes ele usava jeans e óculos simulando os de Dahmer. Quando não carregava um cigarro, carregava pesos que minimizavam o balanço dos braços de maneira semelhante ao seu personagem.

“Eu não diria Método”, é como ele não gosta de descrever seu processo. “Acho que esse termo foi mal interpretado ao longo dos anos. Todo mundo tem seu próprio método. Prefiro ficar nele enquanto filmamos, tentar ser o mais autêntico possível. Acho muito difícil entrar e sair dele.”

Então, ele ficou nisso. Por seis meses.  Quando acabou, ele descomprimiu ao assistir o co-protagonista Richard Jenkins, que interpreta seu pai, interpretar o pai de outro filho impossível na comédia de Will Ferrell, “Step Brothers”. E em vez de passar uma semana em alguma ilha tropical distante, ele foi para a distante St. Louis para visitar amigos e familiares.

A revista norte-americana The Hollywood Reporter, publicou uma edição com críticas às melhores séries de drama do ano de 2022, às quais também estão sendo cogitadas para participar da temporada de premiação. A série Dahmer: Um Canibal Americano aparece na sessão das Minisséries, o crítico Daniel Fienberg fez um comentário sobre a série da Netflix. Confira o trecho traduzido a seguir, e a página completa da revista em nossa galeria.

Dahmer – Monstro: A História de Jeffrey Dahmer (NETFLIX)
Originalmente escondido dos críticos, presumivelmente para que o co-criador Ryan Murphy pudesse proteger a experiência de visualização do público que não têm acesso à Wikipedia, ou produções de televisão recentes ou histórias semi-recentes, a série da Netflix Dahmer — Monstro A história de Jeffrey Dahmer, é uma mistura irritante. Pode-se apreciar os artistas em Dahmer – Richard Jenkins e Niecy Nash em particular; Evan Peters, apesar de um excesso de familiaridade por sua vez — e respeito que Murphy e o co-criador Ian Brennan tem coisas tangíveis e significativas a dizer aqui, ao mesmo tempo em que sinto que a série de 10 episódios é estruturada ao acaso e nunca encontra um meio termo entre a exploração e a expectativa. Dahmer começa pelo final, em 1991, como um prolífico assassino em série, necrófilo e canibal. Dahmer (Peters) pega Tracy Edwards (Shaun J. Brown) em um bar gay na área de Milwaukee e o traz de volta para seu apartamento sujo, onde absolutamente tudo é sinal de alerta: Há uma broca encharcada de sangue, um tanque cheio com peixes mortos, um fedor infeccioso, um misterioso tambor de plástico azul e um videocassete mostrando O Exorcista III. Tracy – alerta de spoiler histórico — foge e chama a polícia, que logo descobre que Dahmer tinha, ao longo do curso de três décadas, assassinado e feito coisas horríveis com os corpos de 17 jovens, principalmente homens jovens de cor.

 

Os 10 episódios da minissérie estão disponíveis na plataforma Netflix, confira nossas redes sociais para ficar por dentro das notícias sobre o Evan!

Em matéria criada por Kirsten Chuba do site Hollywood Reporter, mais informações das filmagens da série Dahmer: Um Canibal Americano são reveladas, graças aos eventos de Q&A feitos com o elenco da série e críticos de TV na última semana de outubro de 2022.

A Netflix organizou duas conversas em seu estúdio no sábado para Dahmer – Monster: The Jeffrey Dahmer Story e The Watcher – suas séries mais recentes e maiores, ambas cortesia de Ryan Murphy.

Murphy atuou como moderador de ambas as discussões, marcando um dos primeiros eventos de imprensa em torno de Dahmer desde que se tornou um dos programas mais vistos da Netflix – e como Murphy mencionou durante o evento, o maior sucesso da carreira do superprodutor.

À medida que o programa se aproxima de um bilhão de horas transmitidas, Murphy admitiu que era “algo que nenhum de nós entendia ou esperava”, mas ele tem duas teorias sobre por que decolou. “Sinto que o mundo é um lugar tão sombrio, e as pessoas estão procurando um lugar para colocar sua ansiedade, e isso é uma coisa”, disse ele. “A outra coisa é que, desde o COVID, as pessoas estão realmente interessadas na ideia de saúde mental e, na série, todo personagem tem um momento falando sobre isso.”

Um dos destaques de seu sucesso, disse Murphy, veio em uma discussão emocional com a estrela Niecy Nash, que participou da conversa ao lado de Evan Peters e Richard Jenkins. Nash interpreta Glenda Cleveland, vizinha de Dahmer que em muitas ocasiões tentou alertar a polícia sobre seus assassinatos, mas sempre foi ignorada.

“Chorei como um bebê porque disse a Ryan, é minha oração que, onde quer que a alma de Glenda Cleveland esteja descansando, ela finalmente se sinta ouvida”, disse ela. “Ela finalmente sabe que sua história se espalhou pelo mundo. Aquilo era importante para mim.”

Durante a conversa, Peters admitiu que estava apavorado em assumir o papel do serial killer – que assassinou de forma horrível 17 homens entre 1978 e 1991 – e voltou atrás se deveria fazê-lo.

Ele era tão profundo no personagem, “As pessoas me pedem: ‘Como é o Evan?’ e eu ficava tipo ‘Eu não sei, eu não conheço esse homem.'” Brincou Niecy Nash.

“Fazendo o papel, eu queria dar 120 por cento durante todo o processo, então trouxe muita escuridão e negatividade”, explicou Peters sobre seu processo. “Era apenas ter esse objetivo final em vista, saber quando iríamos encerrar e finalmente poder respirar e deixar ir e dizer: ‘OK, agora é hora de trazer a alegria e a leveza e assistir comédias e romances e voltar para St. Louis e ver minha família e amigos e sim, assistir Step Brothers.’”

“Evan Peters, você e eu em uma comédia romântica logo depois disso”, brincou Nash, enquanto Peters respondia: “Ah, estou triste”.

A série completa está disponível na plataforma de streaming Netflix.

Matéria originalmente criada por Emily Longeretta do site Variety, traduzida pela nossa equipe.

Embora Evan Peters e Ryan Murphy tenham trabalhado juntos por anos, Peters estava “aterrorizado” em assumir “Dahmer – Monster: The Jeffrey Dahmer Story” da Netflix.

“Eu realmente fiquei pensando se deveria ou não fazer isso. Eu sabia que seria incrivelmente sombrio e um desafio incrível”, disse Peters durante um painel no sábado com Murphy e os colegas de elenco Niecy Nash e Richard Jenkins.  Quando recebeu os roteiros, ele assistiu à entrevista de Dahmer em 1994 no “Dateline” para “mergulhar na psicologia desse lado extremo do comportamento humano”.

Durante os quatro meses de preparação e seis meses de filmagem, Murphy observou que Peters usava pesos de chumbo em torno de seus braços e elevadores em seus sapatos para diminuir a fisicalidade de Dahmer e “basicamente permaneceu nesse personagem, por mais difícil que fosse, por meses”.

“Ele tem as costas muito retas. Ele não mexe os braços quando anda, então coloco pesos nos braços para ver como é.  Eu usava os sapatos do personagem com saltos, jeans, óculos, eu tinha um cigarro na mão o tempo todo”, explicou Evan. “Eu queria que todas essas coisas, essas coisas externas, fossem uma segunda natureza quando estávamos filmando, então assisti muitas filmagens e também trabalhei com um treinador de dialetos para baixar a voz. A maneira como ele falava era muito distinta e ele tinha um dialeto. Então eu também fiz isso e criei essa composição de áudio de 45 minutos, que foi muito útil. Eu ouvia isso todos os dias, na esperança de aprender seus padrões de fala, mas na verdade, na tentativa de tentar entrar em sua mentalidade e entender isso a cada dia que estávamos filmando. Foi uma busca exaustiva, tentando encontrar momentos privados, momentos em que ele não parecia autoconsciente, para que você pudesse ter um vislumbre de como ele se comportava antes dessas entrevistas e de estar na prisão.”

Nash acrescentou que ela se aproximou alegremente de Peters no início das filmagens para dizer olá e percebeu que ele estava “em seu processo”.

“Eu queria respeitar isso e queria mantê-lo lá”, disse ela, virando-se para Peters. “Eu rezei muito por você, de verdade, porque isso é pesado. E quando você fica nele e está preso ao material, como osso à medula, sua alma fica perturbada em algum momento. E eu podia vê-lo ficando cansado. Eu apenas disse: ‘Bem, vou me certificar de mantê-lo em minhas orações, porque isso é muito e ele quer fazer justiça.’”

Houveram reações em torno da série, com alegações de que Murphy não entrou em contato com os familiares e amigos das vítimas de Jeffrey Dahmer – algo que ele desmentiu na quinta-feira durante um evento da DGA.

“É algo que pesquisamos há muito tempo”, disse o escritor. “Nós, ao longo dos três anos e meio em que estávamos realmente escrevendo, trabalhando nisso, alcançamos cerca de 20 das famílias e amigos das vítimas tentando obter informações, tentando conversar com as pessoas. E nem uma única pessoa nos respondeu nesse processo. Então, confiamos muito, muito fortemente em nosso incrível grupo de pesquisadores que… nem sei como eles encontraram muitas dessas coisas. Mas foi como um esforço de noite e dia para tentar descobrir a verdade dessas pessoas.”

A série completa está disponível na plataforma de streaming Netflix.

Matéria originalmente criada por Harper Lambert do site The Wrap, traduzida pela nossa equipe.

A estrela de Dahmer – Monster: The Jeffrey Dahmer Story” Niecy Nash não conheceu o verdadeiro Evan Peters até as filmagens terminarem porque seu colega de elenco estava profundamente enraizado em seu personagem serial killer.

Em uma coletiva de imprensa no sábado para a série de sucesso, Nash lembrou-se de se reapresentar a Peters após o período de ensaio e as filmagens de 10 meses, durante as quais ele permaneceu no personagem.

Eu respeitei sua necessidade de manter a distância e a tensão para que isso acontecesse na tela”, disse ela.

Embora ela não tenha passado o tempo de inatividade com Peters no set, Nash, que interpreta a vizinha de Dahmer, Glenda Cleveland, o manteve em seus pensamentos.

“Eu rezei muito por você, de verdade, porque isso é pesado”, disse Nash a Peters durante a conversa com o showrunner Ryan Murphy e o colega de elenco Richard Jenkins.

Peters agradeceu a ela, lembrando-se de um ditado útil que Nash havia passado para ele de sua avó: “Aguente firme até ter o suficiente, e quando tiver o suficiente, aguente firme”.

Esse mantra ficou com Peters enquanto ele se preparava para o papel consumindo todos os livros, entrevistas, filmagens e relatórios de psicologia sobre Dahmer que pudesse encontrar. Para recriar o andar rígido de seu personagem, ele usava pesos no braço; para acertar a voz, ele trabalhou com um treinador de dialetos e montou um composto de áudio de 45 minutos que ouvia todos os dias para imitar seus padrões de fala e “entrar em sua mentalidade” (de Dahmer).

Eu queria que todas essas coisas externas fossem uma segunda natureza enquanto estávamos filmando”, explicou Peters.

Para descomprimir de seu processo extenuante, o ator assistiu a muitas comédias românticas e comédias como “Step Brothers” (Quase Irmãos), e passou um tempo com amigos e familiares em sua cidade natal de St. Louis, Missouri.

Evan Peters, você e eu em uma comédia romântica logo depois disso!”, brincou Nash.

Após sua estreia na Netflix em 21 de setembro, “Dahmer” se tornou o segundo programa em inglês mais popular de todos os tempos, depois da quarta temporada de “Stranger Things”. Na semana passada, acumulou 856,2 milhões de horas totais de visualização.

Nesta quinta-feira (27) aconteceu o evento Q&A (questions and answers, perguntas e respostas na tradução) da série Dahmer: Um Canibal Americano. O evento contou com a presença dos criadores da minissérie, Paris Barclay e Ryan Murphy, além dos atores Evan Peters, Niecy Nash e Rodney Burford.

Foi exibido para uma audiência de críticos de cinema e audiovisual, o sexto episódio da série intitulado “Silenced“, no qual conhecemos intimidades da vida de uma das vítimas de Dahmer, Tony Hughes. O episódio em questão foi muito bem recebido pelo público por tratar a história de Hughes não apenas como mais um número nas vítimas do assassino, mas sim humanizando as vítimas que muitas vezes são esquecidas nos documentários e séries sobre os crimes.

Durante o Q&A foram feitas diversas perguntas para os atores e criadores. Nelas, Evan responde como foi o processo de se preparar para interpretar Jeffrey Dahmer, além de detalhes da criação da série por Ryan Murphy, e como Evan e Niecy Nash se relacionaram durante as filmagens.

Confira uma compilação de vídeos das respostas, legendadas pela nossa equipe:

Para conferir as fotos do evento em alta qualidade, acesse nossa galeria.

E para continuar em dia com as novidades sobre o Evan, acompanhe nossas redes sociais!

Confira a tradução da matéria escrita pela colunista Juliette Perks do site norte-americano BuzzFeed.

 

Junto com o resto do mundo, fiquei surpresa com a performance arrepiante de Evan Peters como o serial killer da vida real Jeffrey Dahmer em Dahmer – Monster: The Jeffrey Dahmer Story da Netflix, e isso me lembrou o quanto Peters é um grande ator. (Não que eu realmente precisasse ser lembrada, mas você entendeu).

Quer dizer, eu pessoalmente acho que ele tem sido bastante subestimado ao longo dos anos, mesmo quando ele está arrasando na maioria das temporadas de American Horror Story.

Então, pensei que agora seria o momento perfeito para olhar para trás e refletir sobre a carreira de ator Peters, pois trago para vocês 19 papéis que provam que ele é um dos melhores de Hollywood.

 

1. Kai Anderson em American Horror Story: Cult

Kai deve ser uma das performances mais espetaculares de Peters até hoje, e alguns dizem que Kai é o personagem mais assustador que o ator interpretou. Kai é o principal antagonista de Cult, que incorpora uma mistura aterrorizante de masculinidade tóxica com um carisma manipulador. Ele é mentalmente instável e obcecado com a ideia de poder, tanto que usa o medo para manipular as pessoas com o objetivo de liberar o caos para “alcançar a mudança”.

Peters teve dificuldades particularmente naquela temporada de AHS enquanto o personagem de Kai se desenvolvia, desde ter que distribuir punições brutais até manipulação sexual e suas demonstrações públicas de prazer, mas o ator acertou em cheio encarnando o aterrorizante líder do culto.

 

2. Detetive Colin Zabel em Mare of Easttown

Estrelando ao lado de Kate Winslet em Mare of Easttown, Peters estrela como Colin Zabel, que é chamado como detetive do condado para ajudar na investigação de Mare (Winslet). Trocando o assustador pelo realista, o personagem de Peters é um jovem sério lutando contra a síndrome do impostor depois de receber crédito por um caso que ele não resolveu.

Peters infiltrou o caminho de seu personagem nos corações do público antes de uma reviravolta abrupta e chocante, provando que uma parte adorável de um cara legal é tanto para ele quanto para seus muitos vilões.

 

3. Jimmy Darling em American Horror Story: Freak Show

Jimmy Darling, também conhecido como o menino lagosta, é outra entrada forte de AHS para Peters. Nascido com uma condição que seus pais tiraram vantagem, Jimmy teve uma educação traumática e sonhava em deixar o show de horrores para viver uma vida normal.

Um personagem charmoso e corajoso, Jimmy lutaria pela aceitação dos “freaks” (aberrações) como pessoas comuns, e Peters faz um trabalho maravilhoso ao interpretar um de seus personagens de AHS menos malvados até agora.

 

4. Alex em Vida de Adulto

Um papel muito menos intenso do que o habitual, Peters estrela ao lado de Emma Roberts pela primeira vez em Adult World (Vida de Adulto), um filme sobre uma menina ingênua recém graduada na faculdade, Amy, que acredita que está destinada a ser uma grande poetisa, aceita um emprego em uma loja de pornografia enquanto busca  uma orientação com um escritor recluso.

Alex é um dos colegas de trabalho de Amy que mais tarde se torna um interesse amoroso, e é revigorante ver Peters interpretar uma pessoa totalmente normal, lembrando-nos que ele não é apenas um líder de culto e é realmente muito bom em interpretar o tipo suave e gentil!

 

5. Warren Lipka em Animais Americanos

Baseado em uma história real, American Animals (Animais Americanos) vê Peters interpretando Warren Lipka, um homem que comete um roubo de arte ao lado de outros três. Lipka é o líder do roubo, carismático, mas um pouco tóxico, e definitivamente procurando uma emoção.

Peters dá uma performance carismática mais uma vez, e a confiança de seu personagem transpira (mesmo nos momentos mais sombrios ao lidar com as consequências do assalto) neste filme divertido e centrado em uma história bizarra.

 

6. Mr. Gallant em American Horror Story: Apocalypse

Finalmente, o criador de AHS, Ryan Murphy, deu um tempo a Peters! Nesta temporada de AHS, Peters interpreta o Sr. Gallant, um cabeleireiro e homem da moda que adora um lenço de seda no pescoço e que está lutando com a vida pós-apocalíptica.

O personagem frívolo definitivamente adicionou um toque de comédia alegre a outra série sombria, e Peters trouxe muita diversão ao papel. Quero dizer, que outro ator poderia interpretar um cara sendo torturado enquanto gritava o nome de ícones gays dos anos 70 e 80?! Clássico.

 

7. Mercúrio em WandaVision

Eu absolutamente amei a aparição do Quicksilver falso de Peters em WandaVision, e sua entrada na tela definitivamente roubou a cena e fez as pessoas comentarem!

Mesmo que Pietro/Quicksilver não fosse o real como logo descobrimos, o personagem de Peters trouxe uma energia fantástica, peculiar e edificante em suas cenas com os filhos de Wanda, e enfatizou ainda mais a vibe nostálgica de comédia que o show estava procurando.

Me dê um spinoff de Ralph Bohner/Pietro/Quicksilver qualquer dia!

 

8. Jeffrey Dahmer em Dahmer — Monstro: A História de Jeffrey Dahmer

Você não achou que eu esqueceria o Dahmer, achou? É desnecessário dizer que o retrato de Peters do serial killer da vida real é tão assustador quanto possível.

Está além de mim como Peters foi capaz de filmar esta série, mantendo a dinâmica complexa do assassino. É incrivelmente assustador, distorcido e absolutamente maligno, e Peters é insanamente convincente.

 

9. Kit Walker em American Horror Story: Asylum

Em AHS Asylum, Peters finalmente conseguiu interpretar mais uma vítima do que um vilão. Seu arco de personagem? Kit Walker (um frentista de posto de gasolina) tem sua vida virada de cabeça para baixo quando alienígenas sequestram ele e sua esposa, mas na sequência do sequestro, Walker é falsamente culpado por matar sua esposa e duas outras mulheres, e é enviado para Briarcliff Manor. Sanatório onde ele é acusado de ser o serial killer “Bloody Face”. 

Gostei muito do desempenho de Peters como Kit. Ele fez o personagem de Asylum realmente agradável e evocou muita simpatia por ele também. Enquanto a série inicialmente deixa você adivinhando sobre as circunstâncias de Kit, você sempre acaba torcendo por ele e, finalmente, adicionou outra camada de profundidade à série, sabendo que o pobre Walker estava passando pelos horrores do sanatório e se colocando em perigo (enquanto até mesmo protegendo outra presa, Grace), tudo porque ele queria viver uma vida tranquila com sua esposa.

 

10. John ‘Jack’ Daniels em One Tree Hill

Você sabia que Evan Peters estava em One Tree Hill? Bem, ele interpretou um estudante problemático da Tree Hill High School e o interesse romântico de Sam Walker depois que eles formaram uma amizade próxima. Ele esteve na série por um total de seis episódios e serviu como alívio sarcástico e cômico ao longo da temporada, com as expressões faciais mais relacionáveis ​​​​aos nossos eus adolescentes. Ah, também é muito fofo vê-lo ter um pequeno arco romântico em oposição aos psicopatas, yay!

 

11. Charles Manson em American Horror Story: Cult

Evan Peters interpretou um total de cinco líderes de culto em Cult, todos loucos e aterrorizantes! Claro, Kai está lá em cima com os melhores, mas também têm sua interpretação de Charles Manson.

Além das estranhas fisicalidades de interpretar o criminoso de Cult, Peters encarna o assassino assumindo um leve sotaque sulista e servindo alguns olhares seriamente loucos, mas o que funciona também é o humor negro por trás de Charles Manson quando ele aparece e diz algo estranhamente engraçado. Como “não posso confiar nas vadias”. Mais uma performance incrível de Peters.

 

12. Todd em Kick-Ass

Lembra do papel coadjuvante de Peters no primeiro Kick-Ass? Ele interpretou Todd Haynes, o melhor amigo do personagem principal Dave Lizewski interpretado por Aaron Taylor-Johnson. Embora um papel um pouco menor, os confrontos de filmagem significavam que ele não poderia expandir a busca de super-herói do personagem na sequência do filme, mas suas cenas com certeza mostraram o potencial que ele tinha de chutar (entendeu?!).

 

13. James Patrick March em American Horror Story: Hotel e Apocalypse

James Patrick March foi um personagem incrível, e Peters mais uma vez acertou em cheio. Apresentando principalmente em Hotel e depois Apocalipse, o Sr. March é um dos maiores vilões interpretados por Peters.

March projetou o Hotel Cortez como o paraíso de um assassino completo com quartos escondidos, câmaras e muito mais coisas horríveis! Depois de tirar a própria vida, seu fantasma permanece no hotel, e ele continua a torturar e perseguir vítimas da vida após a morte.

Peters é excepcional em interpretar o assassino excessivamente educado, ao mesmo tempo em que balança um bigode, um penteado “Comb over” e um sotaque brâmane suave de classe alta. Afinal, quem mais você poderia ver interpretando alguém que pode ser visto sorrindo, rindo e sendo jovial na preparação para um assassinato brutal?

 

14. Stan Bowes em Pose

Peters interpreta Stan Bowes na primeira temporada de Pose. Bowes é um homem de família que trabalha para a Trump Organization para sustentar sua família, mas enquanto se ajusta à sua nova ocupação, ele conhece Angel (Indya Moore), uma trabalhadora do sexo trans e tenta manter um caso de amor secreto com ela.

O papel parece um dos caminhos mais diferentes para Peters, e foi ótimo vê-lo trilhar novos caminhos com esse personagem, um personagem nervoso e ambicioso, mas com camadas, enfrentando seus próprios problemas de identidade.

 

15. Luke em The Office

Ok, passou pela sua cabeça que Evan Peters estrelou um episódio de The Office na 7ª temporada?! Peters entra na série como sobrinho de Michael Scott (Steve Carell).

Ao tentar aproximar sua família, Scott convida seu sobrinho, Luke, para trabalhar como assistente, imaginando que ele se sairá surpreendentemente. Bem, no estilo típico de Michael Scott, seu plano sai pela culatra, e acontece que Luke é preguiçoso e quer perturbar o escritório.

Se você nunca viu este episódio, por favor, aproveite este clipe hilário de Peters absolutamente arrasando em sua aparência cômica. Peters ri alto e engraçado como Luke, pregando a vibração de sobrinho vazio, preguiçoso e que não pode ser incomodado, coberto com uma performance perfeita e sarcástica!

 

16. Dwight Chapin em Elvis & Nixon

Elvis & Nixon é uma comédia sobre a história real não contada por trás do encontro entre Elvis Presley e o presidente Richard Nixon. Peters interpreta Dwight Chapin, o associado do funcionário da Casa Branca, Bud Krogh, interpretado por Colin Hanks.

O resultado? Embora não seja o maior papel que ele já assumiu, Peters certamente nos convence de que ele poderia ser um verdadeiro funcionário da Casa Branca.

 

17. Tate Langdon em American Horror Story: Murder House e Apocalypse

Na minha opinião pessoal, Tate Langdon é um dos papéis mais complexos e malignos de AHS e Peters. Um personagem solene e cansado, atormentado por segredos obscuros e um duplo aspecto de sua personalidade, ele é um cara bem assustador!

Para contextualizar, Tate é um dos muitos fantasmas presos na Murder House. Quando ele estava vivo, ele cometeu um tiroteio em massa em sua escola, e quando ele está morto, ele agride sexualmente Vivien Harmon, enquanto tenta seduzir sua filha problemática, Violet. Ah, e então seu ataque a Vivien resulta no nascimento do Anticristo, então você sabe, ele realmente não é um fantasma amigável.

Embora mais tarde seja revelado que Satanás estava influenciando Tate e usando-o como um peão, você não pode deixar de ficar aterrorizado graças ao excelente retrato de Peters desse sujeito confuso.

 

18. Clay em Renascida do Inferno

Neste terror de 2015, The Lazarus Effect (Renascida do Inferno), um grupo de pesquisadores médicos descobre uma maneira de trazer pacientes mortos de volta à vida. Exatamente o que alguém quer, certo?!

Praticamente interpretando o preguiçoso e maconheiro do laboratório em um horror aparentemente de filme B, Peters faz muito bem em realmente nos convencer de que ele encontrou sua morte por causa de um cigarro eletrônico. Crédito onde o crédito é devido.

 

19. Kyle Spencer em American Horror Story: Coven

O pobre Peters está sempre tendo dificuldades. Em Coven, seu personagem, Kyle Spencer, é morto pela bruxa Madison Montgomery (Emma Roberts) quando ela vira um ônibus em que ele está dentro.

Um personagem inteligente, carinhoso e bom o suficiente, Kyle era contra os típicos estereótipos de garotos de fraternidade, mas, infelizmente, acaba se tornando um pouco como o monstro de Frankenstein, uma vez que ele é ressuscitado pelas bruxas. Ai!

Depois de ser trazido de volta dos mortos, Peters faz uma performance cativante enquanto Kyle age com pouca compreensão do mundo ao seu redor, sem qualquer coordenação física, sendo incapaz de falar e absolutamente pirando quando suas memórias voltam. Se alguém pode fazer um arco de personagem morto para ressuscitado parecer bom, é Peters.

 

Qual é a sua performance favorita de todos os tempos de Evan Peters? Conte-nos nos comentários!

O site Gold Derby, conhecido por suas predições certeiras nas premiações de filmes e TV, publicou recentemente a seguinte matéria sobre a atuação de Evan em sua nova série, Dahmer: Um Canibal Americano.

Menos de um ano depois de receber sua primeira indicação ao SAG Award por “Mare of Easttown”, Evan Peters já está buscando reconhecimento da associação de atores por outra série limitada. “Monster: The Jeffrey Dahmer Story”, que estreou na Netflix em 21 de setembro, estrela Peters como seu personagem-título, cuja série de assassinatos na vida real durou de 1978 a 1991. Enquanto apostas de melhor ator são comuns em categorias de séries contínuas, é muito mais difícil para um artista aterrissar em categorias consecutivas de séries limitadas/filmes de TV. De fato, Peters seria apenas o quarto homem a fazer isso, depois de James Garner, Gary Sinise e Tom Wilkinson.

Se ele ganhar um convite do SAG Award por “Monster”, Peters substituirá Gary Sinise como o ator mais jovem indicado duas vezes na história da categoria Melhor Filme para TV/Minissérie. Gary Sinise tinha 40 anos quando recebeu sua segunda indicação de TV solo em 1996, e Peters ainda terá 35 se ele conseguir o marco. Tendo perdido em sua primeira nominação para Michael Keaton (“Dopesick”), Peters também tem uma chance de seguir Sinise (“Truman”), Jack Lemmon (“Terças com Morrie”, 2000) e o próprio Keaton, triunfando inicialmente em seu segundo melhor prêmio. Categoria de melhor ator de Filme para TV/minissérie.

Como “Monster” está dentro da janela de elegibilidade para o Primetime Emmys de 2023, Peters pode se tornar o oitavo ator a ganhar um prêmio SAG e depois um Emmy por uma única série limitada ou filme de TV. Além de Lemmon e Keaton, os que já estão nesta lista são Raul Julia (“The Burning Season”, 1995), Sinise (“George Wallace”, 1998), William H. Macy (“Door to Door”, 2003), Al Pacino  (“Angels in America,” 2004) e Geoffrey Rush (“The Life and Death of Peter Sellers,” 2005). Sinise e Idris Elba também foram reconhecidos respectivamente pela academia de TV por seus trabalhos vencedores do SAG Award em “Truman” e “Luther” (2016), mas acabaram perdendo essas corridas do Emmy.

De acordo com as previsões do SAG Awards do Gold Derby, Peters é o quinto candidato mais provável a vencer Melhor Filme para TV/Minissérie desta temporada. Com os recentes vencedores do Emmy, Keaton e Murray Bartlett (“The White Lotus”), fora da disputa, os quatro primeiros lugares em nosso ranking são atualmente ocupados por Andrew Garfield (“Under the Banner of Heaven”), Sebastian Stan (“Pam e Tommy ”), F. Murray Abraham (“The White Lotus: Sicília”) e Colin Firth (“The  Staircase”). Também estão na caçada mais dois outros indicados de Peters em 2022: Oscar Isaac (“Cavaleiro da Lua”, 15º lugar) e Ewan McGregor (“Obi-Wan Kenobi”, 16º).

Embora enfrente uma forte concorrência, Peters pode se beneficiar de ser o único indicado anterior a Melhor Filme para TV/Minissérie em nosso previsto Top 10. Também é vantajoso que “Monster” tenha sido produzido por Ryan Murphy, já que esse prêmio em particular já foi para dois  atores de séries dele (Mark Ruffalo por “The Normal Heart” em 2015 e Darren Criss por “The Assassination of Gianni Versace” em 2019). E, claro, Peters interpreta uma pessoa real, assim como dois terços de todos os vencedores anteriores nesta categoria. Se ele conseguir entrar na escalação, ele pode muito bem ir até o fim.

As indicações para o 29º SAG Awards serão anunciadas na quarta-feira, 11 de janeiro, com a cerimônia no domingo, 26 de fevereiro. Espera-se que a premiação seja televisionada, embora a organização ainda não tenha parceria com uma nova rede após chegar ao final de seu acordo de décadas com TNT e TBS.

A jornalista Bryanna Ehli, do site Collider, analisa a empatia que o público teve com a interpretação de Evan como Dahmer e como ele a fez tão magistralmente. Confira:

Separando o atraente ator de seu personagem repulsivo.

Partes igualmente controversas e cativantes, Dahmer – Monster: The Jeffrey Dahmer Story mistura nostalgia com representações nauseantes da realidade do serial killer, pois detalha sua vida familiar tumultuada, adolescência conturbada e eventuais escapadas assassinas. A série, co-criada por Ryan Murphy, de American Horror Story, e pelo escritor de Scream Queens, Ian Brennan, tem o público se mexendo desconfortavelmente, incapaz de desviar o olhar de um pedaço repulsivo da história do crime real, que foi trazido de volta à vida de uma maneira visceral que é ao mesmo tempo de revirar o estômago de um jeito emocionante. Enquanto o crime verdadeiro vem crescendo em popularidade há anos, e o fascínio da sociedade por assassinos foi intensificado com cinebiografias dramatizadas no passado, a enorme popularidade do monstro em questão nos deixou imaginando por que somos tão cativados por essa narrativa dos crimes do assassino repulsivo em particular. Além da impressionante mistura da série de cenários ensolarados dos anos 70 e domicílios imundos que você pode praticamente cheirar através da tela, a curiosa escolha de elenco de Evan Peters parece ter sido assustadoramente calculada para nos manter sintonizados.

Desde o ator convidado como o sobrinho inepto de Michael Scott em The Office, e dançando como a melhor parte do filme adolescente brega Sleepover, Peters se tornou uma lenda do terror e favorito dos fãs das obras de Murphy. Aparecendo em 9 das 10 temporadas de American Horror Story, Peters assumiu os papéis de um fantasma adolescente incompreendido e assassino, um presidiário resiliente, mas com o coração partido, acusado pelo assassinato de sua esposa, um charmoso assassino dando uma festa de Halloween, um carismático líder de culto entre outros.  Em American Horror Story, Peters encarna a angústia, cavalheirismo, malícia e dor de seus personagens, e consegue tornar seus personagens maus agradáveis, às vezes até amáveis. É uma reputação interessante e perigosa para levar com ele em seu papel mais recente.

A escalação de Evan Peters como Jeffrey Dahmer parece uma escolha estranha a princípio.

O sorriso largo e distinto de Peters, o olhar intenso e perscrutador e a personalidade magnética são muito opostos de Dahmer, que Peters observou em uma entrevista da Netflix não ter um sorriso carismático e parece distante e dissociado do que está acontecendo ao seu redor. Para criar um retrato autêntico do serial killer retraído, Peters teve que mergulhar fundo nos lugares mais sombrios de sua psique, um feito que o ator afirmou ser uma das coisas mais difíceis que ele já teve que fazer.

Dadas as diferenças entre Dahmer e os personagens exuberantes e intensos que Peters normalmente retrata, sua escolha como o assassino parece uma escolha estranha a princípio. Dahmer é impassível, anti-social e desconfortável enquanto tenta manter sua máscara de aparência normal no lugar, atrás da qual vive seu próprio mundo pessoal de fantasias sombrias e cruéis. Mas quando Dahmer é retratado como sozinho e desinibido, tendo conversas imaginárias embriagadas, dançando bêbado na mesa da cozinha e flertando com cadeiras vazias, ele é percebido como a pessoa carismática e social que ele queria ser, e mais próximo de um personagem que esperaríamos ver Peters interpretando. Embora esse retrato de emoções secretas e desejo de normalidade seja magistral para Peters, a desvantagem é que ele faz essa pessoa repulsiva se sentir momentaneamente magnética, mantendo o público atraído e alimentando a hibristofilia em andamento do mundo.

O que é hibristofilia e como ‘Dahmer’ se encaixa nisso?

A hibristofilia é o fascínio, a romantização e a atração por aqueles que cometem crimes, e é frequentemente associada à estranha quantidade de “groupies” sexualmente atraídos por assassinos em série. De Ted Bundy a Charles Manson e além, assassinos e criminosos podem se tornar figuras estranhamente idolatradas em uma estranha reviravolta da psicologia humana que ainda não é totalmente compreendida. Alguns psicólogos teorizam que a hibristofilia pode ter a ver com uma atração pelo poder ou o papel de ser um facilitador, enquanto outros a relacionam ao desejo parafílico de perigo em ambientes sensuais. De qualquer forma, é importante para os espectadores de Dahmer – Monster: The Jeffrey Dahmer Story separar o ator e seus atributos físicos notavelmente atraentes do assassino que ele está interpretando. Caso contrário, alguns podem se sentir perigosamente atraídos por Dahmer como uma figura de proa, com o retrato de Peters de um estranho solitário com curiosidade tímida e ingenuidade sexual em mente.

O objetivo de retratar Dahmer da maneira que Peters faz não é trazer ao assassino qualquer forma de fanfarra ou simpatia, mas dar ao público o que eles querem: um olhar de como Jeffrey Dahmer se tornou quem ele era e os primeiros sinais de que algo estava profundamente errado com o assassino desde tenra idade. A série enfrentou alguma reação devido a vários espectadores que perceberam essas representações como uma maneira de humanizar Dahmer, mostrando sua vida familiar conturbada, sua culpa confusa e suas tentativas de procurar ajuda. No entanto, ao mostrar que o assassino reconheceu que havia algo errado com ele, juntamente com sua tentativa de pedir ajuda ao pai em uma cena tensa de um restaurante, o público vê como ele conseguiu se safar de seus atos hediondos devido à falta  de responsabilização de sua família, além de flagrantes de racismo e homofobia por parte da polícia. Peters disse na entrevista mencionada que Murphy queria contar uma história maior que o próprio Dahmer, a história de suas vítimas e como o sistema falhou com aqueles 17 homens e meninos. Ao retratar o assassino o mais próximo possível da realidade, Peters respeita a história das vítimas dessa maneira.

Ao longo da série angustiante, Peters faz um trabalho assustadoramente excelente ao incorporar uma série de emoções muitas vezes ocultas, bem como a luta constante do assassino para manter essas emoções sob controle, sem mencionar esconder seu característico sorriso com covinhas atrás de um estranho sorriso de boca fechada e bigode loiro assustadoramente crescido. Seu magnetismo carismático e paquerador escapa momentaneamente por entre as rachaduras de uma máscara usada por um indivíduo verdadeiramente doente, obsessivo e malvado. Ao falar sobre seus papéis em American Horror Story, Peters disse que saiu de si mesmo para ver como se tornou insensível aos atos horríveis que retratou na tela. O mesmo não pode ser dito de seu papel como Jeffrey Dahmer, que Peters precisou da ajuda da equipe para mantê-lo “na guarda” para conseguir. Para um assunto com o qual ele não tem nada em comum, Evan Peters foi capaz de aplicar emoção crua e carregada, fazendo seu retrato parecer muito mais autêntico e fazendo com que nós, espectadores, nos sintamos atraídos, apesar do assunto repulsivo. À medida que lidamos com nossa própria psicologia como público, não há como negar que a interpretação e a dedicação de Peters ao seu papel são incomparáveis ​​no cinema de crime real.

Dahmer: Monster – The Jeffrey Dahmer Story atraiu um grande público em seu lançamento, com 196,2 milhões de pessoas sintonizadas desde o lançamento em 21 de setembro.

Esses números o colocam no nível mais alto dos sucessos da Netflix, que mudou a maneira como relata os números de classificação em junho de 2021.

Somente Round 6, All of Us Are Dead, a quarta temporada de Stranger Things e a segunda temporada de Bridgerton bateram esse recorde nesse período e as séries limitadas venceram de programas como Inventing Anna, que estreou com 195,97 milhões de espectadores, e a terceira temporada de You, que marcou 179 milhões.

É difícil comparar com outras séries de Ryan Murphy também da Netflix, como The Politician (de setembro de 2019), Hollywood (maio de 2020), Ratched (setembro de 2020) e Halston (maio de 2021), pois todas estrearam antes da Netflix mudar a maneira como registra seus dados, mas é provável que The Jeffrey Dahmer Story seja significativamente maior do que todas essas séries.

O veterano de American Horror Story, Evan Peters, estrela como o notório serial killer na série de dez partes, que é amplamente contada do ponto de vista das vítimas de Dahmer, e mergulha profundamente na incompetência e apatia da polícia que permitiram ao nativo de Wisconsin partir em um matança por vários anos. A série dramatiza pelo menos 10 casos em que Dahmer quase foi preso, mas acabou solto.

Niecy Nash também estrela a série, junto com Richard Jenkins, Molly Ringwald e Michael Learned.

A série vem de Murphy e Ian Brennan, que a criou e produziu ao lado de Alexis Martin Woodall, Eric Kovtun, Evan Peters, Janet Mock e Carl Franklin.

Em outros lugares, The Crown permanece no Top 10 com as temporadas um e dois continuando entre os dez primeiros após a morte da rainha Elizabeth II. Outras séries incluem Fate: The Winx Saga, Cobra Kai, Heartbreak High, Dynasty, The Imperfects e Sins of our Mother.

Para ler a matéria original e em inglês, clique aqui.