Matéria originalmente criada por Emily Longeretta do site Variety, traduzida pela nossa equipe.

Embora Evan Peters e Ryan Murphy tenham trabalhado juntos por anos, Peters estava “aterrorizado” em assumir “Dahmer – Monster: The Jeffrey Dahmer Story” da Netflix.

“Eu realmente fiquei pensando se deveria ou não fazer isso. Eu sabia que seria incrivelmente sombrio e um desafio incrível”, disse Peters durante um painel no sábado com Murphy e os colegas de elenco Niecy Nash e Richard Jenkins.  Quando recebeu os roteiros, ele assistiu à entrevista de Dahmer em 1994 no “Dateline” para “mergulhar na psicologia desse lado extremo do comportamento humano”.

Durante os quatro meses de preparação e seis meses de filmagem, Murphy observou que Peters usava pesos de chumbo em torno de seus braços e elevadores em seus sapatos para diminuir a fisicalidade de Dahmer e “basicamente permaneceu nesse personagem, por mais difícil que fosse, por meses”.

“Ele tem as costas muito retas. Ele não mexe os braços quando anda, então coloco pesos nos braços para ver como é.  Eu usava os sapatos do personagem com saltos, jeans, óculos, eu tinha um cigarro na mão o tempo todo”, explicou Evan. “Eu queria que todas essas coisas, essas coisas externas, fossem uma segunda natureza quando estávamos filmando, então assisti muitas filmagens e também trabalhei com um treinador de dialetos para baixar a voz. A maneira como ele falava era muito distinta e ele tinha um dialeto. Então eu também fiz isso e criei essa composição de áudio de 45 minutos, que foi muito útil. Eu ouvia isso todos os dias, na esperança de aprender seus padrões de fala, mas na verdade, na tentativa de tentar entrar em sua mentalidade e entender isso a cada dia que estávamos filmando. Foi uma busca exaustiva, tentando encontrar momentos privados, momentos em que ele não parecia autoconsciente, para que você pudesse ter um vislumbre de como ele se comportava antes dessas entrevistas e de estar na prisão.”

Nash acrescentou que ela se aproximou alegremente de Peters no início das filmagens para dizer olá e percebeu que ele estava “em seu processo”.

“Eu queria respeitar isso e queria mantê-lo lá”, disse ela, virando-se para Peters. “Eu rezei muito por você, de verdade, porque isso é pesado. E quando você fica nele e está preso ao material, como osso à medula, sua alma fica perturbada em algum momento. E eu podia vê-lo ficando cansado. Eu apenas disse: ‘Bem, vou me certificar de mantê-lo em minhas orações, porque isso é muito e ele quer fazer justiça.’”

Houveram reações em torno da série, com alegações de que Murphy não entrou em contato com os familiares e amigos das vítimas de Jeffrey Dahmer – algo que ele desmentiu na quinta-feira durante um evento da DGA.

“É algo que pesquisamos há muito tempo”, disse o escritor. “Nós, ao longo dos três anos e meio em que estávamos realmente escrevendo, trabalhando nisso, alcançamos cerca de 20 das famílias e amigos das vítimas tentando obter informações, tentando conversar com as pessoas. E nem uma única pessoa nos respondeu nesse processo. Então, confiamos muito, muito fortemente em nosso incrível grupo de pesquisadores que… nem sei como eles encontraram muitas dessas coisas. Mas foi como um esforço de noite e dia para tentar descobrir a verdade dessas pessoas.”

A série completa está disponível na plataforma de streaming Netflix.